Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BERLIM (Reuters) - A ala mais à esquerda do Partido Social-Democrata (SPD) alemão fez campanha neste sábado para que a legenda não renove a coalizão com o governo conservador da chanceler Angela Merkel, uma semana antes de um congresso do partido para decidir sobre a possível reedição de uma aliança que vigorou de 2013 a 2017.

A campanha dos esquerdistas do SPD, que é de centro-esquerda, ocorre dias após os líderes do partido terem exortado os membros a engolirem suas dúvidas e renovarem a “grande coalizão” com os conservadores de Merkel por mais quatro anos.

Os líderes do SPD enfrentam uma dura tarefa para convencer membros da legenda a aprovarem o acordo no dia 21 de janeiro, durante congresso do partido, e depois novamente em uma votação por correio na conclusão formal das negociações da coalizão.

O líder da corrente Jusos, a juventude do SPD, Kevin Kuehnert, iniciou uma turnê nacional para pedir que os delegados do partido votem contra a grande coalizão. Outros membros da esquerda do partido criticaram as bases da coalizão.

Para conquistar a cúpula do SPD, Merkel concordou em destinar 5,95 bilhões de euros para educação, pesquisa e digitalização até 2021, expandir os direitos dos cuidados infantis e prometeu fortalecer a coesão europeia com maiores contribuições da nação para o orçamento da UE.

Mas alguns sociais-democratas acreditam que faltam concessões ao partido, e também temem que uma nova grande coalizão enfraqueça ainda mais a identidade do SPD, que em setembro obteve seu pior resultado em eleições federais desde 1933.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters