Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BERLIM (Reuters) - A câmara baixa do Parlamento alemão aprovou nesta quinta-feira uma lei que legaliza o uso da maconha para propósitos medicinais para pessoas que são doentes crônicas.

Aqueles que sofrem de doenças sérias, como esclerose múltipla e dor crônica, ou falta de apetite e náusea podem ter acesso à maconha de acordo com a lei.

O projeto diz que pacientes somente terão o direito de ser tratados com maconha “em casos excepcionais muito limitados”, e pacientes não terão permissão para cultivar a sua própria planta.

"Aqueles que estão gravemente doentes precisam ter acesso ao melhor tratamento possível, e isso inclui fundos do seguro saúde pagando por maconha como um remédio para aqueles que são doentes crônicos, se eles não puderem ser tratados de forma efetiva de outra maneira”, afirmou o ministro da Saúde, Hermann Groehe.

Uma porta-voz do ministério declarou que a maconha poderia somente ser usada como último recurso, quando nada mais parecer funcionar. Ela disse que um estudo científico seria simultaneamente realizado para avaliar os efeitos da maconha nesses casos.

Até agora, pacientes só tinham acesso à maconha para uso medicinal com uma autorização especial, o que tornava isso complicado, mas agora eles poderão receber uma receita dos médicos e um reembolso dos seus seguros de saúde, afirmou ela.

Reuters