Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jornalistas assistem debate entre chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e seu adversário, Martin Schulz, em Berlim 03/09/2017 REUTERS/Fabrizio Bensch

(reuters_tickers)

Por Michelle Martin e Andrea Shalal

BERLIM (Reuters) - Um clima de apatia pré-eleição tomou conta da mídia da Alemanha nesta segunda-feira, quando analistas políticos concluíram que o rival de Angela Merkel pelo cargo de chanceler perdeu sua melhor chance de impedi-la de conquistar um quarto mandato.

Faltando três semanas para a votação, vários jornais do país que avaliaram o debate televisivo apático de domingo concluíram que uma repetição da grande coalizão de governo dos conservadores de Merkel e do Partido Social-Democrata (SPD), do adversário Martin Schulz, é provável.

"Angela Merkel e Martin Schulz quase não mostraram diferenças em seu único confronto direto. Por que simplesmente não montamos a grande coalizão de novo?", questionou a revista Der Spiegel em seu site, acrescentando que o debate não deve ter mudado as preferências atuais do eleitorado.

Estas seriam uma continuação da equipe que vem governando o país nos últimos quatro anos, mas essa combinação já foi vista como um último recurso, e pesquisas indicam uma coalizão de três partes entre os conservadores, os verdes e os Democratas Livres (FDP) como uma alternativa.

Nos últimos três meses as pesquisas mostraram continuamente os conservadores de Merkel com uma dianteira de dois dígitos sobre o SPD, mas a diferença jamais cresceu o bastante para dar à aliança entre a União Democrata-Cristã (CDU) e a União Social-Cristã (CSU) uma maioria parlamentar.

As enquetes indicaram que Merkel também venceu o duelo de domingo -- uma decepção para Schulz, que esperava poder aproveitar seu único confronto direto com ela para mudar a sorte de seu partido.

"Estamos correndo o risco de mais uma grande coalizão", disse a manchete do jornal Bild, de grande tiragem.

Segundo o Bild, embora Schulz tenha tentado atacar a "chanceler eterna", o fez com delicadeza, observando que em muitas ocasiões ele compartilhou a opinião da adversária e que os dois não conseguiram se diferenciar.        

A primeira página do jornal local Berliner Zeitung deu um placar de 0 x 0 para os dois candidatos.

"Deveria ter sido o primeiro clímax da corrida pela chancelaria... mas não se viram ênfases substantivas. Os leitores indecisos provavelmente não foram convencidos por nenhum dos candidatos", disse.

O jornal Handelsblatt disse que Schulz não atacou realmente a atual chanceler, e acrescentou: "Martin Schulz não quer ser chanceler em setembro, aparentemente, mas gerente do escritório de Angela Merkel".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters