Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestante contra o G20 protesta em Hamburgo dias antes do encontro de líderes políticos 2/07/2017 REUTERS/Hannibal Hanschke

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - A Alemanha está se protegendo de possíveis ataques cibernéticos na reunião de cúpula do G20, que ocorrerá em Hamburgo nesta semana, por grupos de hackers ou células ligadas a governos estrangeiros, disse a principal autoridade cibernética alemã à Reuters.

Arne Schoenbohm, presidente do Departamento para Segurança da Tecnologia de Informação da Alemanha (BSI), disse que as autoridades criaram um centro de comando especial para agir contra tais ataques, assim como se preparam para qualquer violência física.

"Estamos nos preparando intensivamente para qualquer forma de protesto," disse Schoenbohm em entrevista.

"Como a agência nacional de segurança cibernética... estamos preocupados com tudo ... que grupos como Anonymous e Lulzsec podem estar planejando protestos políticos por meio de ataques cibernéticos.".

Schoenbohm disse que a agência não tem informações sobre ataques específicos, mas estava realizando os chamados testes de "penetração" para garantir a segurança das redes envolvidas quando os líderes das 20 principais economias se encontraram em 7 e 8 de julho.

Dezenas de especialistas cibernéticos estão prontos para responder a qualquer ataque. Cerca de 20 mil policiais com cães, cavalos e helicópteros serão destacados para lidar com dezenas de milhares de manifestantes esperados em Hamburgo, disse.

Schoenbohm disse que o governo percebeu que as pessoas poderiam protestar virtualmente.

"Você não tem que vir de 100 ou 1.000 km (de distância)", disse ele. "No espaço cibernético que você simplesmente começa a programar. Isso é mais rápido do que no mundo real."

Schoenbohm afirmou que as autoridades cibernéticas alemãs estão em contato com seus pares em outros países do G20, incluindo os Estados Unidos, para proteger redes de computadores, câmeras de vigilância e outros equipamentos de segurança.

(Por Andrea Shalal e Thorsten Severin)

Reuters