Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

ROMA (Reuters) - Com amor ou com ódio, houve manifestações em relação à União Europeia para todos os gostos neste sábado na capital italiana.

Federalistas, nacionalistas, populistas, sindicalistas e anarquistas partiram para um dos seis comícios e manifestações convocados para coincidir com o 60º aniversário da assinatura do tratado fundador da União Europeia.

Enquanto 27 líderes da UE participaram de solene celebração no antigo Capitólio, milhares de pessoas foram às ruas, algumas acenando com a bandeira azul e dourada da UE, outras brandindo cartazes raivosos.

"Outros são muito contra a Europa e são muito críticos. Nós, ao contrário, somos a favor de uma Europa no espírito do tratado original, uma Europa livre e democrática", disse Lucio Pagani, um sindicalista de cabelos brancos andando sob o sol quente da primavera.

A participação de cerca de 30.000 manifestantes era esperada nas várias manifestações, com cerca de 5.000 policiais e forças de segurança em serviço.

"Mantenha a calma e ame a Europa", apontava um cartaz em uma marcha pró-europeia. "Minha vida seria horrível sem a Europa", dizia outro.

Uma mensagem muito diferente foi ouvida numa sala universitária no coração de Roma, onde o partido de direita Fratelli d'Italia (Irmãos da Itália) organizou um encontro para denunciar a UE e exigir uma reforma radical.

"A experiência da União Europeia acabou para nós. Ela precisa ser encerrada e precisamos iniciar um novo caminho que seja uma confederação de nações livres e soberanas", disse Giorgia Meloni, presidente do partido.

(Por Isla Binnie)

Reuters