Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente eleito da França, Emmanuel Macron, celebra vitória em cerimônia na frente do Louvre, em Paris. 07/05/2017 REUTERS/Christian Hartmann

(reuters_tickers)

Por Noah Barkin e Leigh Thomas

BERLIM/PARIS (Reuters) - Depois de uma década de crescimento lento, desemprego em alta e diminuição da competitividade, a França elegeu um presidente neste domingo que diz ter um plano para tirar o país de seu torpor econômico.

Emmanuel Macron, um ex-banqueiro de investimento que desistiu do governo de François Hollande por frustração com o ritmo lento das reformas, promete reformar o mercado de trabalho e simplificar os sistemas tributários e previdenciários, além de rever regulamentações que segundo ele dificultam a inovação.

Mas à medida que ele se prepara para entrar no Palácio de Elysee após derrotar a candidata de extrema-direita Marine Le Pen, o ex-ministro da economia de 39 anos de idade enfrenta grandes obstáculos.

Ele vai tentar implementar sua agenda de reformas em um momento em que a França está mais dividida do que nunca sobre como responder às forças disruptivas da globalização.

A campanha eleitoral mostrou que quase metade do país preferiria uma abordagem dirigista da economia, em que o papel do Estado francês fosse expandido, e não encolhido, como propõe Macron.

Para ter uma chance de implementar seus planos, ele terá que garantir apoio parlamentar, o que vai depender de como seu partido novo, En Marche! (Adiante!) vai se sair nas eleições legislativas no próximo mês.

E mesmo que obtenha a maioria de que precisa, é provável que muitas de suas reformas levem meses, ou até mesmo anos, para produzir resultados.

Atrasos poderiam expor Macron e seu governo à mesma oposição que há alguns anos retirou do governo alemão o chanceler Gerhard Schroeder, responsável pelas reformas da "Agenda 2010" da Alemanha.

"Macron está prometendo uma abordagem incremental cujo sucesso dependerá das negociações com os sindicatos", disse Gilles Moec, economista-chefe do Bank of America Merrill Lynch. "Eu entendo a estratégia, mas ela não é algo que dará resultados imediatos. Vai exigir tempo."

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters