Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jolie participa de evento da ONU em Genebra 15/3/2017 REUTERS/Denis Balibouse

(reuters_tickers)

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - Angelina Jolie, representante especial da agência de refugiados das Nações Unidas, fez um apelo apaixonado nesta quarta-feira pelo internacionalismo, diante de guerras que expulsam as pessoas das suas casas e uma “maré de nacionalismo disfarçada de patriotismo”.

A atriz de Hollywood, falando nas Nações Unidas em Genebra, pediu um compromisso renovado com a “imperfeita” organização internacional e com a diplomacia para resolver conflitos.

"Se governos e líderes não estão mantendo a chama do internacionalismo viva hoje, então nós, cidadãos, precisamos”, afirmou a atriz durante a palestra anual Sérgio Vieira de Mello, em homenagem ao brasileiro das Nações Unidas morto num ataque a bomba em Bagdá em 2003.

"Nós vemos uma maré crescente de nacionalismo, disfarçada de patriotismo, e a volta de políticas incentivando o medo e o ódio de outros”, alertou ela.

Angelina Jolie não fez referência direta ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cujo governo está revisando o seu financiamento para as Nações Unidas e a sua participação no Conselho de Direitos Humanos da organização.

"Muito do medo que observamos hoje em relação a refugiados, estrangeiros, é produzido pela ignorância, geralmente alimentando políticos também”, declarou ela.

"Temos que reconhecer o dano que fazemos quando minamos as Nações Unidas, ou a usamos de forma seletiva – ou de forma nenhuma –, ou quando confiamos na ajuda humanitária para fazer o trabalho da diplomacia, ou damos às Nações Unidas tarefas impossíveis e não a financiamos.”

Nenhum apelo humanitário para governos doadores no mundo tem recebido metade da quantidade necessária, afirmou ela. Operações em quatro países onde 20 milhões de pessoas estão à beira da morte devido à fome, no Iêmen, Somália, Sudão do Sul e Nigéria, estão seriamente subfinanciadas.

Reuters