Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry (esquerda), conversa com o chanceler egípcio, Sameh Shukri, antes de uma entrevista coletiva conjunta, no Cairo, nesta terça-feira. 22/07/2014 REUTERS/Charles Dharapak/Pool

(reuters_tickers)

CAIRO (Reuters) - O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, pressionou o Hamas nesta terça-feira a se engajar em negociações de paz com Israel na Faixa de Gaza com base em uma trégua proposta pelo Egito que o grupo militante islâmico rejeitou.

Depois de se reunir com o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, cujo país mediou o conflito israelo-palestino outras vezes, Kerry disse ter tido uma conversa construtiva na tentativa de conter o conflito na Faixa de Gaza que já matou mais de 600 pessoas.

Ele disse que continuará trabalhando para o estabelecimento de um cessar-fogo nos próximos dias.

"O Hamas tem uma escolha fundamental para fazer, escolha que terá um impacto profundo para o povo de Gaza", declarou Kerry a repórteres em uma entrevista coletiva conjunta com seu colega egípcio, Sameh Shukri.

“Os egípcios ofereceram um projeto e um espaço para que possam sentar à mesa e ter uma conversa séria com outras facções palestinas.”

O Hamas já rejeitou a iniciativa do Egito, afirmando que o plano ignora suas exigências de libertação de prisioneiros e de uma suspensão mais abrangente do embargo econômico sobre a Faixa de Gaza.

O Egito tem enormes suspeitas do Hamas, que é um ramo da Irmandade Muçulmana, o movimento islâmico cujo presidente eleito foi deposto pelo então chefe do Exército Sisi no ano passado.

O Hamas reclama que o Cairo o excluiu das conversas sobre a proposta de cessar-fogo, e o Cairo afirma ter consultado todas as facções palestinas.

(Reportagem de Arshad Mohammed, Yasmine Saleh e Shadia Nasralla)

Reuters