Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, fala a jornalistas na sede da entidade em Nova York 12/12/2016. REUTERS/Lucas Jackson

(reuters_tickers)

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O novo secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, conversou com o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta quarta-feira e ambos tiveram uma "discussão muito positiva sobre as relações EUA-ONU", disse um porta-voz da ONU, uma semana depois de Trump criticar a entidade multilateral no Twitter.

Guterres, ex-primeiro-ministro de Portugal e ex-chefe para refugiados da ONU, iniciou seu mandato de cinco anos no domingo. Ele conversou com Trump, que tomará posse no dia 20 de janeiro, por telefone, disse o porta-voz Farhan Haq.

"Foi uma conversa telefônica introdutória durante a qual eles tiveram uma discussão muito positiva sobre as relações EUA-ONU. O secretário-geral disse estar ansioso para trabalhar com o presidente após sua posse", disse Haq a jornalistas.

Trump usou o Twitter para desabonar a entidade que reúne 193 países, depois de os EUA se absterem em uma votação do Conselho de Segurança da ONU no dia 23 de dezembro, permitindo assim a adoção de uma resolução exigindo o fim da construção de assentamentos por Israel.

Trump, que havia pedido que o governo do presidente norte-americano, Barack Obama, vetasse a resolução, alertou que "as coisas serão diferentes" na ONU após ele tomar posse, sem dar mais detalhes.

No dia 26 de dezembro ele voltou ao Twitter para dizer: "As Nações Unidas têm um potencial tão grande, mas no momento é só um clube para as pessoas se reunirem, conversarem e passarem bons momentos. Tão triste!".

Guterres respondeu em uma entrevista via Snapchat na terça: "O presidente (eleito) Trump também disse que a ONU tem um potencial enorme. É exatamente o que eu sinto. Meu trabalho é garantir que esse potencial se torne realidade".

Reuters