Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Prédio da Microsoft em Issy-les-Moulineaux, França 8/08/2016 REUTERS/Jacky Naegelen/File Photo

(reuters_tickers)

MOSCOU (Reuters) - Software produzido pela Microsoft Corp foi adquirido por organizações estatais e empresas na Rússia e Crimea, apesar das sanções que impedem empresas sediadas nos Estados Unidos de realizarem negócios com essas entidades, mostram documentos oficiais.

As aquisições, registradas no banco de dados de compras do Estado russo, mostram as limitações na forma como os governos estrangeiros e as empresas aplicam as sanções dos Estados Unidos impostas à Rússia pela anexação da península da Crimeia, que fazia parte da Ucrânia, em 2014.

Alguns usuários forneceram à Microsoft dados fictícios sobre sua identidade, disseram à Reuters pessoas envolvidas nas transações, explorando uma lacuna na capacidade da empresa norte-americana de manter seus produtos fora do alcance de suas mãos.

Os produtos em cada caso foram vendidos por terceiros e a Reuters não tem provas de que a Microsoft tenha vendido produtos diretamente para entidades atingidas pelas sanções.

"A Microsoft tem um forte compromisso em cumprir com os requisitos legais e estamos investigando esse assunto nas últimas semanas", disse um representante da Microsoft em uma resposta enviada por email às perguntas da Reuters.

A revisão da base de dados da Reuters mostrou que entidades estatais da Rússia e Crimeia que estão sujeitas a sanções adquiriram mais de 5.000 produtos da Microsoft no valor de cerca de 60 milhões de rublos (1,03 milhão de dólares).

A soma é relativamente pequena, mas esse software é vital para muitas empresas e organizações na Rússia e Crimeia operarem. O banco de dados também não inclui empresas privadas, então a escala do problema pode ser muito maior.

(Por Gleb Stolyarov, Anastasia Teterevleva e Anastasia Lyrchikova)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters