Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BUENOS AIRES (Reuters) - O Congresso argentino aprovou nesta quarta-feira a extensão por dois anos de uma lei que concede poderes extraordinários ao governo em questões econômicas, sociais e cambiais, como renegociação de contratos de serviços públicos e fixação de tarifas.
A chamada "emergência econômica" havia sido sancionada originalmente em 2002, quando o país atravessava uma profunda crise econômica, política e social, e desde então tem sido prorrogada sistematicamente todos os anos.
Os senadores aprovaram a lei, que havia recebido sanção da Câmara dos Deputados há algumas semanas, por 38 votos a favor e 23 contra.
Na crise, que começou no fim de 2001, o sistema político sofreu um grande golpe, que refletiu nos cinco presidentes que assumiram o país em apenas 10 dias, e contribuiu para o colapso do sistema financeiro local.
A presidente argentina, Cristina Kirchner, tentou aprovar o projeto antes de perder o controle do Congresso com a mudança de legisladores em dezembro, após a derrota eleitoral sofrida nas eleições de meio mandato em junho.
(Reportagem de Karina Grazina)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters