Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Angeliki Koutantou

ATENAS (Reuters) - A Grécia saudou nesta quarta-feira a decisão tomada por arqueólogos experientes de permitirem sob condições a construção de um grande projeto turístico em Atenas, dizendo que a medida abre caminho para o país transformar o local em um dos maiores resorts litorâneos da Europa.

O projeto de 8 bilhões de euros no local do aeroporto desativado de Hellenikon é um dos principais itens do pacote internacional de ajuda financeira concedido à Grécia, e está sendo acompanhado com atenção por seus credores e por investidores em potencial do país em crise.

Em 2014 a empreiteira grega Lamda assinou com o Estado um contrato de aluguel de 99 anos pela área de 620 hectares, que já abrigou o aeroporto de Atenas. Mas o empreendimento vem enfrentando atrasos, em parte devido a uma disputa antiga entre a empreiteira e aqueles que temem que a obra destruirá o meio ambiente e a herança cultural.

Depois de três reuniões inconclusivas nas últimas semanas, o Conselho Arqueológico Central, um organismo consultivo, recomendou na terça-feira que cerca de 30 hectares do terreno contemplado pelo projeto sejam declarados um sítio arqueológico.

"A decisão é boa", disse o vice-ministro da Economia a cargo dos investimentos, Stergios Pitsiorlas, à Reuters. "O fato de uma área pequena ser declarada de interesse arqueológico blinda o processo todo de futuros litígios".

Pitsiorlas disse que, graças à recomendação, os arqueólogos terão uma supervisão mais atenta do trabalho de construção.

Acredita-se que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, cujo partido de esquerda se opôs fortemente ao projeto antes de chegar ao poder em 2015, agora esteja ansioso para implantar o acordo para ajudar a fortalecer a atividade econômica e reduzir o desemprego, o mais alto da zona do euro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters