Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BEIRUTE (Reuters) - O presidente da Síria, Bashar al-Assad, disse que ainda não viu "nada de concreto" de seu colega norte-americano, Donald Trump, no tocante à sua promessa de derrotar o Estado Islâmico, e classificou as forças dos EUA de "invasoras" por estarem em seu país sem permissão de seu governo.

Em entrevista à rede de televisão chinesa Phoenix, Assad disse que, "em tese", ainda vê espaço para uma cooperação com Trump, embora praticamente nada neste sentido ainda tenha acontecido.

O líder sírio disse que a promessa de campanha de Trump de priorizar a derrota do Estado Islâmico foi "uma abordagem promissora", mas acrescentou: "Ainda não vimos nada de concreto a respeito desta retórica".

    Assad minimizou a campanha militar contra o Estado Islâmico na Síria, que tem apoio de Washington, já que "só algumas poucas operações" foram realizadas localmente, segundo ele. "Temos esperança de que esta gestão... implemente o que temos ouvido", acrescentou.

Indagado sobre a mobilização de forças dos EUA perto de Manbij, cidade do norte sírio, Assad respondeu: "Quaisquer tropas estrangeiras vindas à Síria sem nosso convite... são invasoras".

"Não achamos que isto irá ajudar", completou.       

    A coalizão encabeçada pelos EUA está atacando o Estado Islâmico em solo sírio há mais de dois anos, e atualmente está apoiando uma campanha de milícias sírias aliadas para cercar e, em última instância, capturar Raqqa, a base de operações do grupo extremista na Síria.

    Assad observou que o Exército sírio, que vem sendo auxiliado pela Rússia, está agora "muito próximo" da cidade de Raqqa depois de avançar pelas margens ocidentais do rio Eufrates.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters