Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes da oposição participam de comício em homenagem a vítimas de violência em protestos contra o governo 24/07/2017 REUTERS/Andres Martinez Casares

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - A Fedecamaras, principal associação empresarial da Venezuela, cobrou nesta terça-feira o governo do presidente Nicolás Maduro a desistir da polêmica eleição de domingo para formação de uma Assembleia Constituinte.

A oposição afirma que a medida representa um ato ditatorial, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou na semana passada impor sanções econômicas contra a Venezuela se a Constituinte for confirmada.

A Fedecamaras disse que a Assembleia Constituinte é "inconstitucional e desnecessária", e não representa um caminho para o fim da crise na Venezuela.

"Nós exigimos que o Executivo abandone sua intenção de impor uma nova Constituição", disse a associação em comunicado.

Maduro prometeu que a votação será realizada no domingo e tem rebatido seus críticos, que ele diz não terem os interesses da Venezuela em primeiro lugar.

A Venezuela atravessa uma grande crise econômica e política, com milhões de pessoas enfrentando dificuldades para obter comida e meses de protestos antigoverno que já deixaram mais de 100 mortos.

(Reportagem de Girish Gupta)

Reuters