Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Andrew Osborn e Maria Kiselyova

MOSCOU (Reuters) - Dois astronautas que sobreviveram uma falha de um foguete russo no meio do ar irão voar novamente e estão provisoriamente marcados para viajar à Estação Especial Internacional (ISS) no ano que vem, disse nesta sexta-feira o chefe da agência espacial da Rússia.

Dmitry Rogozin, chefe da agência espacial russa Roscosmos, falava um dia após o cosmonauta russo Alexei Ovchinin e o norte-americano Nick Hague fazerem um dramático pouso de emergência no Cazaquistão, após a falha do foguete Soyuz que os levava à ISS.

O acidente de quinta-feira foi o primeiro problema sério de lançamento sofrido por uma missão espacial Soyuz tripulada desde 1983, quando uma equipe escapou por pouco antes de uma explosão na plataforma de lançamento. A Rússia agora está sob pressão para provar que seu programa espacial é seguro ou então enfrentar a perda de taxas lucrativas para levar astronautas norte-americanos ao espaço.

Moscou suspendeu todos os lançamentos espaciais tripulados até que descubra o que deu errado e Rogozin ordenou uma investigação feita por uma comissão estatal. O Comitê Investigativo da Rússia iniciou uma investigação criminal.

Sergipe Krikalev, uma autoridade sênior da Roscosmos, disse nesta sexta-feira que a Rússia também pode adiar um envio não tripulado de carga por uma espaçonave Progress à ISS. Lançamentos não tripulados de carga levam alimentos e outros suprimentos à ISS e usam o mesmo sistema de foguetes que o Soyuz. A Rússia diz que há comida suficiente a bordo para durar até abril.

Três pessoas estão atualmente a bordo da estação espacial: um alemão, um russo e um norte-americano. Eles devem voltar à Terra em dezembro, mas agora podem ficar na estação pelo menos até janeiro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters