Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

LONDRES (Reuters) - A primeira-ministra britânica, Theresa May, não deve se curvar às conveniências políticas nas negociações do Brexit, mas terá sua própria opinião sobre o que ela acredita ser o melhor e se recusará a ceder território - isso é, se o último formulário for aprovado.

May, que apoiou a campanha para permanecer na União Europeia no referendo de junho, terá que conduzir ou sufocar os eurocéticos de seu governista Partido Conservador, enquanto formula suas prioridades de negociação e estratégia.

A premiê de 60 anos – frequentemente descrita como uma esfinge pela imprensa britânica – revelou pouco em seus oito meses de liderança sobre como abordará as conversas de separação em relação a Bruxelas, talvez com medo de se enfraquecer.

Mas sua experiência previa em tentar conquistar o apoio dos eurocéticos que conduziram ao Brexit pode dar algumas pistas sobre seu modo de agir: dois anos atrás, quando foi ministra do Interior, ela buscou uma volta ao Mandado de Prisão Europeu, contra os desejos de muitos de seu partido.

May encontrou seu caminho até o final após um confronto difícil sobre o mandado, que acelera a extradição entre os Estados-Membros. Ela não recuou um centímetro e forçou a medida a passar pelo parlamento. 

Sua conduta e estratégia representam o retrato de uma negociadora teimosa, que se detém o quão firmemente possível ao que ela acredita serem os melhores interesses britânicos.

(Por Elizabeth Piper)

Reuters