Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Serviços de emergência em local de ataque na Ponte Westminster em Londres 22/3/2017 REUTERS/Eddie Keogh

(reuters_tickers)

Por Toby Melville e William James

LONDRES (Reuters) - Quatro pessoas morreram e pelo menos 20 ficaram feridas nesta quarta-feira depois que um carro avançou sobre pedestres e um agressor esfaqueou um policial perto do Parlamento britânico, no que a polícia classificou como um incidente terrorista.

"Quatro pessoas morreram. Isso inclui o policial que estava protegendo o Parlamento e um homem que nós acreditamos ser o agressor que foi alvejado por um policial armado", disse o policial antiterrorismo Mark Rowley a repórteres.

As outras duas vítimas fatais eram pedestres atingidos pelo carro na ponte de Westminster, que fica próxima ao Parlamento.

"Declaramos isso um incidente terrorista e o comando antiterrorista está realizando uma investigação em grande escala sobre os eventos de hoje", afirmou Rowley, o mais alto oficial britânico antiterrorismo.

"O ataque começou quando um carro foi conduzido sobre a ponte de Westminster, atropelando e ferindo pessoas, incluindo três policiais...O carro então bateu perto do Parlamento e pelo menos um homem, armado com uma faca, continuou o ataque e tentou entrar no Parlamento", acrescentou.

Repórteres da Reuters dentro do Parlamento ouviram estouros altos e pouco depois viram duas pessoas caídas no chão no pátio próximo, o homem com a faca e o policial esfaqueado.

Um fotógrafo da Reuters contou ter visto pelo menos uma dúzia de pessoas feridas na ponte. Suas fotos mostraram pessoas deitadas no chão, algumas sangrando profusamente e uma delas debaixo de um ônibus.

Uma mulher foi retirada viva, mas com ferimentos graves, do rio Tâmisa, informou a Autoridade do Porto de Londres.

Três estudantes franceses com idades de 15 e 16 anos estavam entre os feridos, segundo autoridades da França.

O incidente ocorreu no primeiro aniversário dos ataques de militantes islâmicos que mataram 32 pessoas em Bruxelas.

A Câmara dos Comuns, que estava em sessão na ocasião, foi suspensa imediatamente, e os parlamentares foram instruídos a permanecer dentro do recinto.

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, estava em segurança, informou um porta-voz de seu gabinete, que não quis dizer onde a premiê se encontrava quando o ataque ocorreu.

Os repórteres da Reuters dentro do Parlamento viram um grande número de policiais armados, alguns com escudos, entrando no edifício. Um helicóptero ambulância pousou na Praça do Parlamento.

O Reino Unido está em seu segundo nível mais alto de alerta, "severo", o que significa que um ataque de militantes é considerado altamente provável.

(Reportagem adicional de Kylie Maclellan, Elizabeth Piper, Costas Pitas, Michael Holden, Kate Holton, Elisabeth O'Leary e redação de Londres)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765)) REUTERS TR

Reuters