Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas caminham por local de ataque em acampamento de refugiados em Rann, na Nigéria. 17/01/2017 MSF/Divulgação via Reuters

(reuters_tickers)

GENEBRA (Reuters) - Ao menos 76 pessoas foram mortas e mais de 100 ficaram feridas na terça-feira em um acampamento de refugiados após um ataque aéreo acidental da Força Aérea Nigeriana, informou nesta quarta-feira o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (ICRC).

A Força Aérea informou que um número desconhecido de civis foi morto e ferido no ataque equivocado em Rann, no Estado de Borno. O Estado tem sido o epicentro da tentativa de sete anos do Boko Haram de criar um califado islâmico.

A Força Aérea disse que civis foram acidentalmente mortos e feridos no ataque, que tinha como alvo o grupo jihadista, mas nem a Força Aérea, nem o governo, deram um número oficial de mortos. O grupo Médicos Sem Fronteiras (MSF) informou que 52 pessoas foram mortas e 120 ficaram feridas.

O ICRC informou que seis membros da Cruz Vermelha da Nigéria foram mortos e 13 ficaram feridos.

"Além do pessoal de ajuda, é estimado que 70 pessoas tenham sido mortas e mais de uma centena feridas", informou o ICRC em comunicado.

Lai Mohammed, ministro da informação da Nigéria, disse que "o bombardeio acidental não é um reflexo verdadeiro do nível de profissionalismo" que ele presenciou na Força Aérea.

O ataque aéreo segue uma ofensiva militar contra o Boko Haram nas semanas recentes.

A insurgência no grupo matou mais de 15 mil pessoas desde 2009 e forçou cerca de dois milhões de pessoas a deixarem suas casas, muitas para acampamentos de deslocados internos.

(Reportagem de Tom Miles; Reportagem adicional de Felix Onuah)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters