Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais afegãos carregam pessoa ferida após explosão em Cabul 31/10/2017 REUTERS/Mohammad Ismail

(reuters_tickers)

Por Sayed Hassib

CABUL (Reuters) - Um homem-bomba matou até oito pessoas e feriu diversas outras em Cabul, a capital do Afeganistão, muitas das quais pareciam ser trabalhadores saindo de seus escritórios no início do horário de pico noturno, disseram testemunhas e autoridades nesta terça-feira.

O Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque em Wazir Akbar Khan, uma área muito fortificada da cidade que abriga várias embaixadas estrangeiras e edifícios do governo.

Uma equipe de televisão da Reuters contou oito mortos aparentes, além de vários feridos, no local, que ficou encoberto de fumaça devido à explosão. Todas as vítimas pareceram ser civis afegãos.

Uma autoridade de saúde pública disse que três mortos e 15 feridos foram levados a hospitais da cidade, mas uma autoridade de segurança, que falou sob condição de anonimato, disse que ao menos sete pessoas morreram e 21 se feriram.

"A cena do ataque ficou coberta de fumaça e poeira, mas vi sete ou oito veículos carregados de mortos e feridos saindo da área", disse Ali Nazari, gerente de uma agência de viagens próxima.

A explosão ocorreu em um momento no qual a segurança está reforçada em Cabul devido a uma série de ataques em outubro, incluindo um contra uma mesquita xiita que matou mais de 50 pessoas e um atentado contra uma instalação de treinamento do Exército que matou ao menos 15 soldados.

A segurança também foi intensificada consideravelmente após um ataque de caminhão-bomba devastador diante da embaixada alemã em 31 de maio, que matou ao menos 150 pessoas, com a instalação de uma série de barreiras e postos de verificação na área central da cidade.

(Reportagem adicional de James Mackenzie, Mirwais Harooni, Hamid Shalizi, Akram Walizada)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters