Reuters internacional

BEIRUTE (Reuters) - Um ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos matou o fundador do veículo de propaganda midiática do Estado Islâmico, Amaq, na província síria de Deir al-Zor, disse nesta quarta-feira o irmão do fundador em publicação no Facebook.

A Reuters não pôde confirmar de forma independente se ele foi morto. Não houve comentário imediato da coalizão liderada pelos EUA.

A publicação informou que o ataque aéreo matou Rayan Meshaal e sua filha na cidade de al-Mayadin. Ativistas da oposição síria compartilharam notícias da morte de Meshaal nas redes sociais.

"Tenho o prazer de anunciar o martírio do meu irmão mais velho Baraa Kadek, conhecido como Rayan Meshaal... em um ataque aéreo da coalizão", segundo publicação no Facebook supostamente feita pelo irmão de Meshaal.

O Estado Islâmico muitas vezes reivindica responsabilidade por ataques no mundo em canais da Amaq nas redes sociais.

Rita Katz, diretora do serviço de monitoramento Site, sediado nos EUA, disse em publicação no Twitter que um ataque da coalizão supostamente matou Meshaal em Deir al-Zor.

Katz acrescentou que a Amaq "se mostrou como uma agência de mídia estatal do Estado Islâmico" desde sua fundação em 2014 e emitiu reivindicações por ao menos duas dúzias de ataques ao redor do mundo.

Militantes do Estado Islâmico controlam áreas dos vastos desertos no leste da Síria e a maior parte da província de Deir al-Zor, na fronteira com o Iraque, mas o grupo tem perdido território desde o ano passado.

Reuters

 Reuters internacional