Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

AMÃ/ANCARA (Reuters) - Ataques aéreos da Rússia mataram 3 soldados turcos e feriram outros 11 acidentalmente durante uma operação contra o Estado Islâmico no norte na Síria nesta quinta-feira, disseram os militares da Turquia.

"Durante uma operação de um avião de guerra da Federação Russa contra alvos do Estado Islâmico na região da operação Escudo do Eufrates na Síria, uma bomba atingiu acidentalmente um edifício usado por unidades do Exército turco", informaram os militares em um comunicado.

O Kremlin disse que o presidente russo, Vladimir Putin, ligou para seu colega turco, Tayyip Erdogan, e expressou suas condolências, culpando a coordenação deficiente entre Moscou e Ancara pelos ataques mal-direcionados.

O incidente reforçou o risco de choques involuntários entre as numerosas forças estrangeiras envolvidas na complexa guerra de seis anos na Síria. Além de Rússia e Turquia, elas ainda incluem o Hezbollah libanês e milícias apoiadas pelo Irã, além de membros de uma coalizão que combate o Estado Islâmico.

A Rússia é uma aliada essencial do presidente sírio, Bashar al-Assad, enquanto a Turquia apoia os rebeldes que se opõem a ele. Em 2015 os turcos abateram um caça da Força Aérea russa que disseram ter invadido seu espaço aéreo, embora Moscou tenha negado que isso tenha acontecido.

Os dois países repararam as relações desde então, e o comunicado desta quinta-feira do Kremlin afirmou que os dois líderes concordaram em intensificar a coordenação militar contra o Estado Islâmico.

Enquanto isso, rebeldes sírios auxiliados por Ancara realizaram uma grande ofensiva contra Al-Bab, cidade síria controlada pelo Estado Islâmico situada 30 quilômetros ao sul da fronteira com a Turquia.

(Por Suleiman Al-Khalidi e Daren Butler)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters