Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BEIRUTE (Reuters) - O número de mortos em ataques aéreos numa cidade síria em uma “zona de desescalada” cresceu para 61, informou nesta terça-feira um grupo de monitoramento da guerra, em uma demonstração do frágil estado de áreas estabelecidas em tentativa de diminuir a violência.

Rebeldes jihadistas culparam aviões de guerra russos pelo ataque de segunda-feira e disseram que irão lutar de volta contra forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, e seus apoiadores russos e iranianos no conflito de seis anos.

    O Observatório Sírio para Direitos Humanos, sediado no Reino Unido, informou que três ataques aéreos atingiram o mercado de Atareb, oeste de Aleppo, e mataram ao menos 61 pessoas.

    Atareb fica dentro do que é conhecido como uma zona de desescalada sob um acordo entre Turquia, Rússia e Irã para reduzir mortes. Mas, apesar de esforços diplomáticos, lutas continuam em muitas áreas, incluindo Aleppo, Idlib, Raqqa, Deir al-Zor e Hama.

    “(As zonas) diminuíram confrontos”, disse à Reuters o assessor humanitário da Organização das Nações Unidas Jan Egeland. Mas ultimamente “tem havido um aumento de confrontos também”.

As zonas foram estabelecidas sob o processo de Astana, uma série de conversas na capital do Cazaquistão entre a Rússia e o Irã, e a Turquia, apoiadora dos rebeldes.

    Os países concordaram em setembro em enviar observadores para a fronteira de uma zona de desescalada na província síria de Idlib, que está amplamente sob controle de insurgentes islâmicos.

(Reportagem de Sarah Dadouch; Reportagem adicional de Raya Jalabi, em Erbil)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters