Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros das forças de segurança do Irã durante ataque ao Parlamento no centro de Teerã. 07/06/2017 Tasnim News Agency/Divulgação via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Bozorgmehr Sharafedin

LONDRES (Reuters) - Agressores invadiram o Parlamento do Irã e um suicida detonou uma bomba no mausoléu do aiatolá Khomeini, em Teerã, nesta quarta-feira, deixando ao menos 7 mortos em um ataque duplo no coração da República Islâmica, informou a mídia iraniana.

O Ministério de Inteligência iraniano disse que as forças de segurança ainda prenderam uma "equipe terrorista" que estaria planejando um terceiro ataque, sem dar mais detalhes.

O Estado Islâmico reivindicou responsabilidade pelos ataques em comunicado. Se confirmado, esses seriam os primeiros ataques do grupo muçulmano sunita dentro do país muçulmano xiita.

Os ataques, que tiveram como alvo o Parlamento e o santuário do admirado fundador da República Islâmica, aiatolá Khomeini, acontecem menos de um mês depois da reeleição do presidente Hassan Rouhani, um moderado.

Três agressores, um com uma pistola e dois com fuzis AK-47, atacaram o prédio do Parlamento no centro de Teerã, disse o parlamentar Elias Hazrati à televisão estatal.

A emissora estatal Irib informou que um dos autores do ataque detonou um colete suicida, embora algumas outras agências de notícias tenham dito que a explosão pode ter sido causada por granadas lançadas pelos agressores.

A agência de notícias Tasmin disse que há relatos ainda não confirmados de que os agressores fizeram quatro reféns dentro do prédio do Parlamento. Ao menos 7 pessoas morreram e diversas outras ficaram feridas, acrescentou.

Aproximadamente meia hora após o primeiro ataque, os agressores abriram fogo contra o mausoléu do aiatolá Khomeini, que fica apenas alguns quilômetros ao sul, deixando muitos civis feridos, informou a Press TV, o meio de comunicação de língua inglesa do Irã.

Segundo a Irib, o governador de Teerã disse que um dos agressores detonou um colete suicida, um outro foi morto por forças de segurança e os demais foram presos.

"A atmosfera é tensa. É um golpe contra Rouhani. Como quatro homens armados podem entrar no Parlamento, onde sempre houve uma segurança muito firme?", disse uma autoridade graduada, que pediu para não ser identificada.

Rouhani manteve o poder na eleição presidencial, com uma vitória avassaladora sobre candidatos apoiados pelo clero linha dura e pela Guarda Revolucionária do Irã, a força de segurança mais importante do país, que é responsável por garantir a segurança nacional.

Uma TV iraniana disse que o Parlamento tinha retomado o funcionamento, transmitindo imagens do que afirmou ser a sessão de abertura prosseguindo normalmente.

(Reportagem adicional de Parisa Hafezi)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters