Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Agente de segurança inspeciona local de ataque em restaurante na cidade iraquiana de Nassiriya 14/9/2017 REUTERS/Essam Al-Sudani

(reuters_tickers)

BAGDÁ (Reuters) - Três ataques suicidas reivindicados pelo Estado Islâmico mataram pelo menos 60 pessoas no sul do Iraque nesta quinta-feira, informaram fontes policiais e de saúde, sugerindo uma mudança nas táticas do grupo radical.

Autoridades de segurança iraquianas e curdas dizem que os militantes sunitas provavelmente travarão uma guerra de guerrilha no Iraque depois que seu auto-proclamado califado em Mosul entrou em colapso.

O Estado Islâmico também está sob cerco na cidade síria de Raqqa, sua base operacional para ataques no Oriente Médio e no Ocidente.

Autoridades de segurança descreveram os ataques de quinta-feira como uma tentativa de enviar uma mensagem aos seguidores do Estado Islâmico, de que o grupo ainda é forte e pode operar em outras partes do Iraque após suas perdas territoriais.

"Depois de perder a guerra no Iraque e o encolhimento de seu poder, o Estado Islâmico retornou ao seu antigo estilo de insurgência, realizando ataques suicidas, o que é um claro sinal de que o grupo terrorista está recuando", disse o coronel de inteligência policial Murtatha al -Yassiri.

Vestindo uniformes da força de segurança e dirigindo veículos do Exército roubados, os agressores atacaram um posto de controle da polícia e dois restaurantes em uma rodovia perto da cidade de Nassiriya, usando carros-bomba e coletes suicidas, disseram as fontes.

Pelo menos 100 pessoas ficaram feridas, informou a polícia.

Um comunicado divulgado pela agência de notícias Amaq, que apoia o Estado Islâmico, disse que os combatentes do grupo radical muçulmano sunita atacaram e mataram "dezenas de xiitas".

(Por Ahmed Rasheed e Aref Mohammed)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters