Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Faris Ali
PESHAWAR, Paquistão (Reuters) - Um carro-bomba conduzido por um militante suicida matou dez pessoas e feriu cerca de 60 na sexta-feira junto a uma agência dos serviços de inteligência em Peshawar, no noroeste do Paquistão, segundo autoridades.
A cidade, perto da fronteira com o Afeganistão, já sofreu vários atentados desde que o Exército iniciou uma ofensiva contra o Taliban na região do Waziristão do Sul, no mês passado, levando os militantes a intensificarem suas retaliações.
Um porta-voz militar disse que o alvo do atentado foi o escritório da agência de inteligência ISI, e que o homem-bomba detonou os explosivos em um posto de controle no lado de fora.
O ataque ocorreu pouco antes de o assessor de Segurança Nacional do governo dos EUA, Jim Jones, iniciar uma série de reuniões com líderes do governo e militares em Islamabad.
Os EUA atualmente avaliam opções estratégicas para a sua guerra no Afeganistão, e dizem que a ofensiva paquistanesa contra os militantes no seu lado da fronteira é vital para resolver o conflito.
A explosão derrubou a fachada do edifício de três andares e gerou uma espessa coluna de fumaça.
Um soldado ferido disse que o homem-bomba estava em um tipo de veículo que costuma entregar material médico.
"De repente ele apareceu na contramão e começou a vir na direção do escritório", disse o soldado Nasir à Reuters. "Os guardas abriram fogo, mas ele veio para a entrada do prédio enquanto os disparos continuavam e explodiu."
O incidente ocorreu por volta de 6h40 (23h40 em Brasília), e não ficou claro quantas pessoas já estavam no edifício a essa hora.
Logo depois do atentado, outro carro-bomba explodiu em uma delegacia perto da cidade de Bannu, no noroeste, matando sete pessoas, sendo cinco policiais. Bannu dá acesso ao Waziristão do Norte, outro importante reduto de militantes na fronteira com o Afeganistão.
(Reportagem adicional de Alamgir Bitani, Zeeshan Haider e Sahar Ahmed)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters