Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fotografia mostra o interior da casa noturna Blue Parrot após atirador ter aberto fogo no início desta segunda-feira do lado de fora da boate, matando diversas pessoas e ferindo outras durante um festival de música eletrônica em Playa del Carmen, no México 16/01/2017 REUTERS/Victor Ruiz Garcia

(reuters_tickers)

Por Gabriel Stargardter

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Ao menos cinco pessoas, incluindo quatro estrangeiros, foram mortas e outras 15 ficaram feridas nesta segunda-feira quando um atirador abriu fogo em uma casa noturna no resort mexicano de Playa del Carmen durante o festival de música eletrônica BPM, disseram autoridades estatais.

O procurador-geral do Estado de Quintana Roo, Miguel Angel Pech, disse durante entrevista coletiva que dois cidadãos canadenses, um italiano e um colombiano foram mortos. Uma mulher morreu no tumulto para deixar o local.

    Pech disse que o incidente teve início quando uma pessoa entrou armada na boate Blue Parrot por volta das 3h desta segunda-feira, no horário local, durante o encerramento do festival. Outra pessoa tentou pará-la, gerando uma troca de tiros que atraiu funcionários da segurança.

O tiroteio representa um grande golpe à indústria do turismo do México, que se tornou um dos poucos pontos brilhantes na economia por conta da fraca taxa de câmbio do peso.

    Pech acrescentou que 15 pessoas ficaram feridas e 10 delas ainda estão no hospital. O governo do Estado disse em comunicado que uma pessoa está em condição grave. Quatro pessoas foram presas por suspeitas de participação no incidente.

    O procurador-geral disse que dois dos mortos eram funcionários da segurança do BPM, mas o festival disse em comunicado que três membros da segurança foram mortos. A organização do evento disse que o ataque a tiros foi realizado por um atirador sozinho.

    Quintana Roo e a península circunjacente de Iucatã são tradicionalmente menos violentas que outras partes do México, com taxas relativamente baixas de assassinatos. No entanto, com muitos turistas estrangeiros e uma grande vida noturna, há um importante mercado de drogas local dentro e nos arredores de Playa Del Carmen.

    Vídeos supostamente feitos no local e exibidos na TV e redes sociais mostram dançarinos abaixando para se cobrir e correndo nas ruas atrás de um lugar seguro.

    “Esta é uma situação muito, muito triste... Meus pensamentos e pêsames a todos os afetados”, disse o DJ escocês Jackmaster, que se apresentava no festival, em publicação no Twitter.

    O festival BPM, que entra em seu décimo ano, se tornou um dos maiores eventos de música eletrônica no mundo, com DJs famosos voando todo janeiro para tocar em boates de Playa del Carmen.

    Nos anos recentes, a costa caribenha do México atraiu para a bela região um crescente número de DJs e fãs de música eletrônica, que buscam escapar do inverno europeu e norte-americano.

Reuters