Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Militares afegãos se posicionam do lado de fora de hospital alvo de ataque em Cabul 08/03/2017 REUTERS/Omar Sobhani

(reuters_tickers)

Por Mirwais Harooni

CABUL (Reuters) - Atiradores vestidos de médicos invadiram um hospital da capital do Afeganistão nesta quarta-feira e combateram forças de segurança durante horas, matando mais de 30 pessoas e ferindo dezenas no ataque reivindicado pelo Estado Islâmico.

Um homem-bomba se explodiu na parte de trás do hospital Sardar Mohammad Daud Khan, que tem 400 leitos e se localiza em frente da altamente fortificada embaixada dos Estados Unidos, e três agressores munidos de armas automáticas e granadas de mão entraram no complexo, relataram autoridades de segurança.

O porta-voz do Ministério da Defesa Dawlat Waziri disse que o ataque foi interrompido no meio da tarde e que os três invasores foram mortos.

Enquanto as forças de segurança percorriam os edifícios do hospital, outro porta-voz do ministério disse que elas encontraram mais de 30 mortos e 50 feridos, incluindo médicos, pacientes e funcionários.

Os atiradores, que se disfarçaram de médicos, assumiram posições nos andares mais elevados do hospital e enfrentaram forças especiais enviadas ao local, disseram autoridades.         

    As forças de segurança isolaram a área ao redor do hospital, próximo de um cruzamento movimentado, e soldados das forças especiais desceram nos telhados dos principais edifícios de helicóptero.

    Tiros esporádicos foram ouvidos durante horas, e durante o combate houve uma segunda explosão, que um porta-voz disse ter ocorrido quando um carro situado dentro do complexo hospitalar explodiu.

    Um comunicado da agência de notícias Amaq, do Estado Islâmico, disse que seus combatentes atacaram o hospital, e um porta-voz do Taliban afegão negou a autoria, dizendo que a insurgência islâmica não teve "nenhuma conexão" com o ataque.

    A ação aconteceu na esteira de alertas de autoridades do governo sobre a possibilidade de grandes atentados em Cabul neste ano.

    Como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ainda não anunciou sua política para o Afeganistão, onde o principal comandante dos EUA disse que milhares de militares estrangeiros adicionais podem ser necessários para manter a estabilidade, o ataque também assinala a ameaça crescente do Estado Islâmico.

    (Reportagem adicional de Hamid Shalizi, Mohammad Ismail, Mohammad Aziz e Omar Fahmy no Cairo)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters