Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministra das Relações Exteriores australiana, Julie Bishop. 01/03/2017 AAP/Mick Tsikas/via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Aaron Bunch e Tom Westbrook

SYDNEY (Reuters) - A Austrália irá chamar todos os embaixadores atualmente no exterior de volta para casa para uma reunião, informou a ministra das Relações Exteriores australiana, Julie Bishop, nesta quarta-feira, no momento em que o país reformula sua política externa para equilibrar os laços com os Estados Unidos, seu aliado de longa data, e com a China, seu maior parceiro comercial.

Essa é a primeira vez que a Austrália convoca todos os maiores diplomatas de suas 113 missões ao redor do mundo. O objetivo é elaborar um relatório para guiar a diplomacia australiana ao longo da próxima década, o primeiro documento deste tipo desde 2003.

"Em um momento de incerteza global significativa, é vital que a Austrália recorra à experiência e ao intelecto de nossos diplomatas mais antigos", argumentou a chanceler em um comunicado.

Bishop disse que a reunião do final deste mês irá se concentrar em uma reformulação ampla da abordagem de seu país nas relações internacionais e no comércio.

Recentemente o relacionamento da Austrália com a China se tensionou devido ao repúdio do Parlamento cada vez mais conservador de Canberra ao investimento estrangeiro.

Os australianos também viram sua relação com os EUA sofrer um abalo após uma conversa telefônica exasperada entre o primeiro-ministro Malcolm Turnbull e o presidente norte-americano, Donald Trump, durante a qual os dois se desentenderam em relação a um plano de troca de refugiados.

Os embaixadores irão se reunir durante dois dias em Canberra com Turnbull, Julie e o ministro do Comércio, Steven Ciobo, e o relatório branco deve ser entregue em meados do anos.

(Reportagem adicional de Swati Pandey)

Reuters