Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma mulher observa flores colocadas para vítimas do ataque na Arena de Manchester, na Inglaterra. 23/05/2017 REUTERS/Stefan Wermuth

(reuters_tickers)

Por Michael Holden e Andy Bruce

MANCHESTER, Inglaterra (Reuters) - O homem-bomba que matou 22 pessoas em um show de música pop lotado de crianças em Manchester provavelmente não agiu sozinho, disse uma ministra britânica nesta quarta-feira, enquanto soldados foram mobilizados para diversos pontos para ajudar a prevenir mais ataques.

Também nesta quarta-feira, três homens foram presos em Manchester como parte de uma investigação sobre o ataque, segundo a polícia.

"Três mandados foram emitidos no sul de Manchester em conexão com a investigação em andamento", disse um porta-voz da polícia de Manchester.

O nível oficial de ameaça no Reino Unido foi elevado na terça-feira pela primeira vez em uma década para o máximo, "crítico", o que quer dizer que um outro ataque pode ser iminente.

A ministra do Interior britânica, Amber Rudd, disse que até 3.800 soldados serão mobilizados paras as ruas do Reino Unido, assumindo serviços de segurança em lugares como o Palácio de Buckingham e a rua Downing Street para liberar os policiais para focar em patrulhas e no trabalho de investigação.

A polícia identificou o britânico Salman Abedi, de 22 anos, como o responsável pela explosão na Arena de Manchester no final do show de segunda-feira da cantora norte-americana Ariana Grande, assistido por milhares de crianças e adolescentes.

"Parece provável, possível, que ele (Abedi) não estava fazendo isso sozinho", disse Rudd à rádio BBC. Ela também disse que Abedi já era conhecido por forças de segurança antes da explosão.

(Reportagem de Kate Holton e reportagem adicional de Costas Pitas e Kate Holton em Londres)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters