Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Agentes belgas reforçam segurança em estação de Bruxelas após agressor ser morto 21/6/2017 REUTERS/Francois Lenoir

(reuters_tickers)

BRUXELAS (Reuters) - Um cidadão marroquino que tentou realizar um ataque na Estação Central de Bruxelas é suspeito de apoiar militantes do Estado Islâmico, disseram procuradores nesta quarta-feira, um dia após o homem tentar detonar uma bomba repleta de pregos e garrafas de combustível.

Em uma tentativa de ataque que o primeiro-ministro belga, Charles Michel, disse que poderia ter sido muito pior, o homem provavelmente fez a bomba em sua casa no distrito de Molenbeek, em Bruxelas, um conhecido reduto de muçulmanos radicalizados, segundo investigadores.

“Também há indícios de que o suspeito possuía simpatia à organização terrorista IS”, disseram procuradores em comunicado, usando um acrônimo para Estado Islâmico.

Embora pouco seja conhecido sobre o homem morto, que foi baleado por um soldado na noite de terça-feira, quaisquer laços militantes confirmados podem se encaixar em um padrão de ataques recentes em cidades europeias reivindicados pelo Estado Islâmico, incluindo em Londres, Paris e Berlim.

Não houve reivindicação imediata de responsabilidade nesta quarta-feira.

Molenbeek, um distrito pobre com grande população muçulmana marroquina, ganhou notoriedade após uma célula do Estado Islâmico sediada na região realizar ataques suicidas em Paris em novembro de 2015 que deixaram 130 mortos. Associados deste grupo atacaram Bruxelas quatro meses depois, matando 32 pessoas.

(Por Philip Blenkinsop, Elizabeth Miles e Robin Emmott)

Reuters