Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Autora de "Harry Potter", J.K. Rowling, durante evento em Manhattan, Nova York, nos Estados Unidos 10/11/2016 REUTERS/Andrew Kelly

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - A escritora britânica J.K. Rowling, autora de "Harry Potter", pediu desculpas à família de um menino de cadeira de rodas por tuítes em que ela acusou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de ignorar a criança em uma coletiva de imprensa.

Rowling chamou Trump de "um monstro de narcisismo" após imagens de uma entrevista sobre o sistema de saúde no dia 24 de julho mostrarem o presidente aparentemente ignorando a mão do menino de 3 anos, mas apertando as mãos de outras pessoas enquanto deixava o evento.

Imagens da entrada de Trump na coletiva, entretanto, mostram o presidente parando para cumprimentar o menino, com quem teve uma breve conversa antes de começar o pronunciamento.

Dizendo ter descoberto que o que ela viu não era uma representação precisa do encontro, Rowling tuitou: "Eu claramente projetei minhas próprias sensibilidades sobre a questão de pessoas deficientes sendo desconsideradas ou ignoradas nas imagens que vi".

O pedido de desculpas da autora foi direcionado para o menino e sua família, e não fez nenhuma menção a Trump.

Rowling, que tem mais de 11 milhões de seguidores no Twitter, frequentemente critica Trump e seu governo em suas redes sociais.

Nos três dias entre os tuítes originais no dia 28 de julho e seu pedido de desculpas, Rowling foi alvo de críticas online, muitas por parte de partidários de Trump, por seus comentários sobre o ocorrido.

(Reportagem de Mark Hanrahan em Londres)

Reuters