Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Sayeeda Warsi, em foto de arquivo. 29/08/2013 REUTERS/Suzanne Plunkett

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - Sayeeda Warsi, importante autoridade do Ministério das Relações Exteriores britânico, pediu demissão nesta terça-feira, acusando o governo do primeiro-ministro David Cameron de seguir uma abordagem “moralmente indefensável” no conflito entre Israel e o Hamas.

Embora o governo britânico venha pedindo reiteradamente um cessar-fogo imediato em Gaza, Cameron foi criticado por opositores pelo que dizem ser uma relutância em criticar as ações de Israel com maior ênfase.

Warsi anunciou a decisão no Twitter enquanto Israel retirava suas forças da Faixa de Gaza e iniciava uma trégua de 72 horas com o Hamas, mediada pelo Egito, como primeiro passo rumo a negociações sobre um fim mais duradouro para a guerra de um mês.

A demissão dela é constrangedora para Cameron, que já foi acusado de ter muitos homens em seu gabinete.

“Nossa abordagem e linguagem durante a atual crise em Gaza é moralmente indefensável, não é do interesse nacional britânico e terá um impacto negativo de longo prazo em nossa reputação aqui e no exterior”, declarou Warsi, de 43 anos.

A reação da Grã-Bretanha aos eventos em Gaza é um dos fatores por trás da radicalização dos muçulmanos britânicos, disse ela, e pode ter consequências durante anos.

(Por William James e Kylie MacLellan)

Reuters