Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Esgoto no vale do Cédron, nos arredores de Jerusalém 06/07/2017 REUTERS/Ronen Zvulun

(reuters_tickers)

Por Ari Rabinovitch

JERUSALÉM (Reuters) - Há um cheiro ruim emanando do vale bíblico do Cédron, tão ruim que o rei Davi e Jesus, que teriam caminhado pelo local milhares de anos atrás, hoje precisariam desviar para chegar a Jerusalém.

Há décadas, um quarto do esgoto de Jerusalém corre a céu aberto pelo vale do Cédron, circundando as colinas da cidade e atravessando o deserto da Judeia rumo ao leste, e em certas circunstâncias chega a vazar para o Mar Morto.        

O córrego atravessa terras administradas por israelenses e palestinos, tornando difícil resolver o problema, mas finalmente parece que uma solução foi encontrada.

Autoridades dos dois lados concordaram em drenar o esgoto do vale. De acordo com o plano, um aqueduto será construído para levar a água do esgoto diretamente para novas instalações de tratamento. Cada lado irá financiar e construir a parte que atravessa seu território.

Mas, até que isso aconteça, cerca de 12 milhões de metros cúbicos de esgoto continuam a escorrer pelo vale a cada ano.

"É claro que está prejudicando o meio ambiente e o sistema ecológico", disse Shony Goldberger, diretor do distrito de Jerusalém no Ministério de Proteção Ambiental de Israel.

"É perigoso e danoso à saúde das pessoas de muitas maneiras".

Além do esgoto de Jerusalém, o efluente de Belém e de vilarejos árabes próximos se junta ao córrego no declive de 30 quilômetros, que atravessa a Cisjordânia ocupada.

Plantas crescem anormalmente no que deveria ser um vale seco, animais bebem no local e pilhas de lenços higiênicos para bebês que são jogados em milhares de vasos sanitários se amontoam esporadicamente ao longo das margens. O esgoto penetra na terra, criando o risco de contaminar a água subterrânea.

Perto do final de sua jornada, o córrego se acumula em uma piscina improvisada, e grande parte dele é usado para irrigar tamareiras, que têm grande resistência a poluentes. Mas de quando em quando a gravidade puxa os resíduos ao local mais baixo da terra, o Mar Morto.

"Depois de décadas sendo incapazes de resolver o problema, por mil e uma razões, profissionais e políticas, chegamos a um acordo para construir um aqueduto no vale", disse o major-general Yoav Mordechai, coordenador das atividades do governo de Israel na Cisjordânia, à Reuters.

A Autoridade de Águas Palestina disse que o acordo foi firmado devido a um "interesse em limpar a área", mas enfatizou que os dois lados estão trabalhando separadamente.

(Reportagem adicional de Ali Sawafta)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters