Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bombeiros vistos próximo ao Hotel Rigopiano, em Farindola, em fotografia do corpo de bombeiros da Itália. 19/01/2017 Vigili del Fuoco/Divulgação via REUTERS

(reuters_tickers)

PENNE, Itália (Reuters) - Uma avalanche atingiu um hotel nas montanhas do centro da Itália, após uma série de fortes terremotos na área, e até 30 pessoas podem estar soterradas na neve, disseram autoridades nesta quinta-feira. 

“Cerca de 30 pessoas estão desaparecidas, entre hóspedes e trabalhadores do Hotel Rigopiano, em Farindola”, disse Fabrizio Curcio, chefe do departamento de defesa civil da Itália.

Outras autoridades disseram que é muito cedo para dizer se há mortos, à medida que uma operação de resgate estava em andamento tendo que enfrentar até 5 metros de neve que caiu nos últimos dias na cadeia de montanhas de Gran Sasso, na região central de Abruzzo. 

A avalanche derrubou parte do hotel de quatro andares, que fica a cerca de 1.200 metros acima do nível do mar, movendo-o cerca de 10 metros, de acordo com relatos da imprensa. 

Uma muralha de neve e entulho atingiu o hotel na noite de quarta feira, poucas horas após quatro fortes terremotos terem abalado o centro do país, gerando temores sobre possíveis avalanches. 

Dois homens estavam fora do prédio no momento do desastre e tocaram o alarme. 

“Estou vivo porque fui pegar algo no meu carro”, disse um deles, Giampiero Parete, à equipe médica, de acordo com o site Repubblica. 

As estradas bloqueadas impediram a passagem do resgate, que só alcançou o local às 4h30 (horário local), após terem esquiado pela neve. Os serviços de emergência enviaram helicópteros assim que amanheceu. 

Uma base de resgate foi montada na cidade de Penne, a cerca de 10 quilômetros do hotel Rigopiano, um popular resort de 4 estrelas, com 43 quartos. 

A imprensa italiana havia relatado que “muitos mortos” tinha sido encontrados dentro do hotel, mas autoridades na área negaram. 

(Por Philip Pullella, Valentina Consiglio e Steve Scherer)

Reuters