Navigation

Azeris e armênios étnicos lutam enquanto Rússia, EUA e França buscam trégua

Homem passa em frente a casa danificada no recente confronto em Nagorno-Karabakh 08/10/2020 REUTERS/Stringer reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. outubro 2020 - 16:16

Por Nvard Hovhannisyan e Nailia Bagirova e Stephanie Nebehay

YEREVAN/BAKU/GENEBRA (Reuters) - Azeris e armênios étnicos se enfrentaram com artilharia e armas pesadas nesta quinta-feira, enquanto Estados Unidos, Rússia e França intensificaram os esforços para obter um cessar-fogo e evitar uma guerra mais ampla no sul do Cáucaso.

O Azerbaijão disse que a cidade de Ganja, no interior de seu território, foi alvejada. Armênios étnicos que controlam o enclave montanhoso de Nagorno-Karabakh, situado no Azerbaijão, disseram que Stepanakert, sua principal cidade, foi bombardeada por forças azeris.

Como sinal do alarme crescente na região, o chefe de uma aliança militar de seis países que é liderada pela Rússia e inclui a Armênia alertou que o grupo pode intervir se a soberania armênia for ameaçada.

O combate contínuo e a tensão cada vez maior sublinharam as dificuldades enfrentadas por autoridades norte-americanas, russas e francesas reunidas em Genebra para tentar deter os confrontos, nos quais ao menos 400 pessoas já morreram desde que eles começaram no dia 27 de setembro.

O ministro das Relações Exteriores azeri, Jeyhun Bayramov, deveria participar das conversas desta quinta-feira, mas nenhuma reunião direta entre a Armênia e o Azerbaijão foi agendada.

O chanceler armênio, Zohrab Mnatsakanyan, deve conversar separadamente com autoridades norte-americanas, russas e francesas em Moscou na segunda-feira.

Washington, Paris e Moscou dividem a presidência da Organização para a Segurança e a Cooperação do Grupo de Minsk europeu, que media os assuntos relacionados a Nagorno-Karabakh desde 1992.

"A posição dos Estados Unidos é clara e não mudou: os dois lados precisam cessar as hostilidades imediatamente e trabalhar com o Grupo de Minsk para retomar negociações substantivas o mais cedo possível", disse um porta-voz dos EUA.

Não havia nenhuma coletiva de imprensa agendada em Genebra, e as partes não disseram em que local da cidade suíça estão reunidas, na esperança de manter os detalhes em segredo e aumentar as esperanças de um avanço.

O Ministério da Defesa da Nagorno-Karabakh negou que um cessar-fogo foi acertado para entrar em vigor nesta quinta-feira.

Pela lei internacional, Nagorno-Karabakh pertence ao Azerbaijão, mas é povoado e governado por armênios étnicos e se separou em uma guerra transcorrida entre 1991 e 1994 que matou cerca de 30 mil pessoas.

A retomada do conflito aumentou o temor de a Turquia, uma grande aliada do Azerbaijão, e a Rússia, que tem um pacto de defesa com a Armênia, serem arrastadas para o confronto.

(Reportagem adicional de Tuvan Gumrukcu em Ancara e Anton Kolodyazhnyy em Moscou)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.