Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, vota durante repetição da eleição presidencial em Gatundu 26/10/2017 REUTERS/Siegfried Modola

(reuters_tickers)

Por Ed Cropley

NAIRÓBI (Reuters) - Os resultados da nova eleição presidencial do Quênia começaram a sair nesta sexta-feira, com estimativas iniciais de comparecimento abaixo de 35 por cento, abalando as esperanças do presidente Uhuru Kenyatta de conseguir unir o país com uma vitória decisiva para um segundo mandato.

Com quase todos os partidários do líder de oposição, Raila Odinga, seguindo o pedido do político veterano por um boicote à eleição, a vitória de Kenyatta não está em dúvida.

Menos clara, no entanto, é sua habilidade em unir a nação do leste africano, cujas profundas divisões étnicas têm sido expostas durante um sangrento e caótico processo eleitoral prolongado durante os últimos três meses, com múltiplos casos judiciais.

A primeira eleição, em agosto, foi anulada por tribunais devido a irregularidades no processo, negando a Kenyatta uma vitória contra seu adversário político de longa data.

Se os esperados desafios legais não conseguirem tirar o país da crise, incluindo uma possível ordem para a realização de outra eleição, o palco estará formado para um impasse político prolongado e economicamente prejudicial entre as campanhas de Kenyatta e Odinga.

"A não ser que os tribunais anulem a eleição, Kenyatta avançará sem um mandato claro e Odinga buscará uma estratégia de protesto cujas chances de sucesso nas circunstâncias não são muito altas", afirmou o analista do Grupo de Crises Internacionais, Murithi Mutiga.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters