Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Multidão faz um minuto de silêncio, um dia depois que uma van atropelou pedestres em Las Ramblas, Barcelona 18/08/2017 REUTERS/Sergio Perez

(reuters_tickers)

Por Andrés González

BARCELONA (Reuters) - As autoridades espanholas foram alvo de críticas de moradores e visitantes de Barcelona nesta sexta-feira, chocados com a falta de segurança na avenida mais famosa da cidade, palco de um ataque fatal com uma van.

Treze pessoas foram mortas na tarde de quinta-feira quando uma van dirigida por um possível militante islâmico subiu na faixa de pedestres ao longo da avenida Las Ramblas, no coração turístico de Barcelona, e se lançou sobre uma multidão que passeava pelo bulevar repleto de árvores.

Residentes e trabalhadores disseram que temiam há tempos que a área fosse atingida por ataques e questionaram por que as autoridades da cidade e a polícia não instalaram colunas ou barreiras permanentes para impedir que veículos tentem atropelar os passantes.

Outros disseram que as autoridades precisam equilibrar as necessidades de segurança, a proteção ao turismo –um setor suscetível a uma presença policial muito visível– e a preservação do estilo de vida dos moradores.

As autoridades municipais de Barcelona informaram que um policiamento extra já havia sido enviado a Las Ramblas antes dos ataques de quinta-feira e que a segurança está sempre sendo avaliada.

Militantes islâmicos realizaram uma série de ataques na Europa nos últimos 13 meses, inclusive vários com veículos que atropelaram multidões deliberadamente para causar o máximo de baixas. Um caminhão matou 86 pessoas em Nice, em julho do ano passado.

"Estava praticamente destinado a acontecer aqui, especialmente depois do que ocorreu em Nice", disse Gabriel Rabarte, segurança de 50 anos que trabalha em um shopping center próximo de Las Ramblas. "Eles deveriam ter instalado algumas (barreiras) lá, alguma coisa."

Gally Battat, um norte-americano de 24 anos que mora perto da área e estava a algumas ruas de distância de onde o atentado ocorreu, disse que na semana passada notou não haver barreira em Las Ramblas e em outras áreas que são alvos prováveis para um ataque com carro.

As autoridades espanholas já instalaram blocos de concreto para proteger áreas vulneráveis, e Barcelona adotou tais medidas temporariamente em algumas avenidas centrais durante as comemorações de Ano Novo.

A cidade também proibiu o acesso de caminhões a áreas centrais no período, como fez Madri.        

"Segurança absoluta é impossível, significaria abrir mão de nossa liberdade e nos trancarmos em casa", disse a prefeita de Barcelona, Ada Colau, a uma televisão da Catalunha.

(Reportagem adicional de Inmaculada Sanz, Alba Asenjo e Emily Lupton em Madri e Karen Freifeld em Washington)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters