Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes usam caminhão para fazer barricada durante protesto contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas. 22/05/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

Por Alexandra Ulmer e Andrew Cawthorne

CARACAS (Reuters) - Venezuelanos fizeram barricadas em ruas de Caracas e a oposição se equipou para mais um protesto nesta quarta-feira com o anúncio de duas datas de eleições fracassando em apaziguar os ânimos contra o presidente Nicolás Maduro e uma economia em parafuso.

Após quase dois meses de protestos pedindo eleições presidenciais antecipadas, o conselho eleitoral pró-governo afirmou na terça-feira que eleições para uma controversa "assembleia constituinte" seriam realizadas em julho e as adiadas eleições estaduais em dezembro.

Inimigos de Maduro responderam que era uma farsa concebida para confundir os venezuelanos, promover disputas por estratégia entre a oposição e permitir que o impopular governo de esquerda evite eleições livres e justas que provavelmente perderia.

Parlamentares da oposição afirmam que a assembleia constituinte, cujos 540 membros serão eleitos a nível municipal e por grupos comunitários como trabalhadores, serão preenchidos como marionetes que irão meramente obedecer às ordens de Maduro para reescrever a Constituição.

"Uma vez instalada, esta assembleia constituinte irá eliminar governadores, prefeitos e a Assembleia Nacional", disse o parlamentar oposicionista Tomas Guanipa.

"Houve uma ruptura na ordem constitucional da Venezuela, e as ruas são nossa maneira de salvá-la", acrescentou.

O país sul-americano tem sido atormentado por conflitos desde o início de abril, com pelo menos 55 pessoas mortas com os protestos e a irritação fervendo por conta da crise econômica.

A Venezuela tem sofrido com uma inflação de três dígitos, um quarto ano de recessão, longas filas nas lojas e escassez generalizada de alimentos básicos e medicamentos.

Maduro diz que está enfrentando uma "insurreição armada" e que a assembleia constituinte, um super corpo que substituirá todos os outros poderes públicos, é o caminho para restaurar a paz na Venezuela.

Simpatizantes da oposição planejam marchar até o Conselho Eleitoral na quarta-feira, embora a manifestação provavelmente seja bloqueada por soldados da Guarda Nacional. Nas últimas semanas, tropas e policiais vêm enfrentado jovens mascarados atirando pedras e coquetéis Molotov.

A Assembleia Nacional, liderada pela oposição, quer um referendo pedindo aos venezuelanos que aprovem o plano de assembleia constituinte de Maduro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters