Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vitrine de loja de souvenir com pôster de Vladimir Lenin em São Petersburgo. 22/04/2014 REUTERS/Alexander Demianchuk

(reuters_tickers)

Por Helen Cahill

BERLIM (Reuters) - Autoridades alemãs suspenderam planos para escavar uma cabeça de granito de 3,5 toneladas de Vladimir Lenin para expor em um museu de Berlim, por causa de preocupações logísticas e do custo, disseram os organizadores da exibição e a imprensa local.

A cabeça era parte de uma famosa estátua de 19 metros de altura do líder comunista, fundador do Estado soviético. Ela foi demolida em 1991, dois anos após a queda do Muro de Berlim, e quebrada em 129 partes, e então enterrada em uma floresta nos arredores da cidade. 

Monumentos das eras nazista e comunista da Alemanha devem ser expostos em 2015 no Spandau Citadel, uma fortaleza no oeste da cidade, junto a outros artefatos que datam dos tempos prussianos, em uma exposição de monumentos políticos impopulares. 

“O departamento de proteção a monumentos acredita que não seja possível encontrar a localização da cabeça”, disse a organizadora da exibição, Andrea Theissen. “Isso não é verdade, nós sabemos onde está."

Não havia ninguém da prefeitura para comentar sobre o assunto, mas o jornal Berliner Zeitung citou um representante municipal, Joerg Haspel, dizendo que a cabeça não deve ser exibida sem as outras partes do corpo. 

“O local da cabeça e de outras partes não podem ser precisamente indicados”, disse Haspel ao jornal, acrescentando que desenterrar todos eles exigiria “escavações amplas”, que elevariam muito os custos totais do projeto. 

O impasse ressalta a dificuldade da Alemanha para lidar com os problemas do passado. Após 1989, os berlinenses derrubaram muitas lembranças do governo comunista na ex-Alemanha Oriental, mas nos últimos anos houve muitos pedidos para que eles fossem redescobertos. 

“Todo mundo conhece essa cabeça, então é claro que queremos nessa exibição”, disse Theissen.

Reuters