Navigation

Biden está 12 pontos à frente de Trump entre prováveis eleitores, diz pesquisa Reuters/Ipsos

Joe Biden em Wilmington, no Estado norte-americano de Delaware 04/09/2020 REUTERS/Kevin Lamarque reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. setembro 2020 - 14:27

Por Chris Kahn

NOVA YORK (Reuters) - O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, tem 12 pontos percentuais de vantagem sobre o presidente Donald Trump entre os eleitores prováveis do país, de acordo com uma pesquisa Reuters/Ipsos que também mostrou que o número de eleitores influenciáveis encolheu quando comparado ao de quatro anos atrás.

A pesquisa feita entre 3 e 8 de setembro e divulgada nesta quarta-feira revelou que 52% dos eleitores prováveis pretendem votar em Biden, enquanto 40% apoiariam Trump. Três por cento disseram que votariam em outro candidato, e só 5% disseram ainda estar indecisos a menos de dois meses da eleição presidencial de 3 de novembro.

A sondagem mostrou que o número de eleitores que ainda não se decidiu por um candidato de um grande partido é menos da metade daquele de 2016, e que atualmente Biden tem a vantagem na conquista do voto nacional popular.

Mesmo se os eleitores ainda indecisos apoiarem Trump, mostrou a pesquisa, ele perderá no voto popular para Biden.

Mas Trump ainda pode se reeleger sem conquistar a maioria dos votos nacionalmente --as eleições presidenciais dos Estados Unidos são decididas pelos votos do Colégio Eleitoral, uma disputa baseada na contagem de vitórias Estado a Estado.

Quatro anos atrás, a democrata Hillary Clinton teve quase 3 milhões de votos a mais do que Trump, mas viu o republicano vencer por pouco no Colégio Eleitoral e levar a Presidência.

Esta foi a primeira vez que uma pesquisa Reuters/Ipsos mediu o apoio dos candidatos de 2020 entre eleitores prováveis.

Quando se mede os eleitores registrados, que incluem aqueles menos inclinados a votar, Biden tem 8 pontos percentuais de vantagem sobre Trump --na semana passada, uma enquete semelhante lhe dava 7 pontos de dianteira.

A pesquisa apontou que os eleitores prováveis estão motivados principalmente pela pandemia de coronavírus, que já matou mais de 186 mil norte-americanos e tirou o emprego de milhões, e pela restauração da confiança no governo.

Quando indagados sobre o que determina sua escolha de presidente, 28% disseram ser a suposta capacidade do candidato para combater o coronavírus e 23% que é a capacidade de restaurar a confiança no governo. Outros 19% disseram ser a capacidade do candidato para fortalecer a economia, e 14% que estão procurando um candidato que seja "duro contra o crime".

A pesquisa Reuters/Ipsos entrevistou 823 eleitores prováveis, sendo 390 que se identificam como democratas e 351 que se identificam como republicanos, e teve um intervalo de credibilidade, uma medida de precisão, de cerca de quatro pontos percentuais.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.