Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher coloca vela em vigília em homenagem a Daphne Caruana Galizia em St Julian's 16/10/2017 REUTERS/Darrin Zammit Lupi

(reuters_tickers)

VALLETTA (Reuters) - Daphne Caruana Galizia, a jornalista investigativa mais conhecida de Malta, foi morta nesta segunda-feira quando uma forte bomba explodiu seu carro, informou a polícia, em um caso que chocou a pequena ilha do Mediterrâneo.

Caruana Galizia, de 53 anos, comandava um conhecido blog no qual destacou implacavelmente casos de suposta corrupção de alto nível entre políticos de diversas linhas partidárias.

“Há criminosos em todos os lugares que você olhar agora. A situação é desesperadora”, escreveu em um blog publicado em seu site somente meia hora antes de uma explosão destruir seu carro.

Moradores disseram que Caruana Galizia havia acabado de deixar sua casa e estava em uma estrada próxima à vila de Bidnija, no norte de Malta, quando a bomba detonou, fazendo seu carro voar até um campo adjacente.

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, que enfrentou acusações de atos irregulares por Caruana Galizia anteriormente neste ano, denunciou a morte, chamando de um “ataque bárbaro contra a liberdade de imprensa”.

Ele anunciou que o FBI, dos Estados Unidos, havia concordado em ajudar a polícia local a investigar o assassinato e que especialistas viajariam à ilha assim que possível.

“Eu não irei descansar até ver justiça feita neste caso”, disse em comunicado, pedindo união nacional.

Cerca de 3 mil pessoas realizaram uma vigília silenciosa com velas na noite desta segunda-feira em Sliema, próximo a Valletta.

A hashtag “Je Suis Daphne” (Eu Sou Daphne) circulou amplamente entre usuários de redes sociais na ilha de 400 mil habitantes, o menor Estado da União Europeia. 

(Por Chris Scicluna)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters