Navigation

Boom de petróleo nos EUA se estenderá em 2015, diz IEA

Este conteúdo foi publicado em 11. julho 2014 - 14:54

LONDRES (Reuters) - O crescimento da demanda global de petróleo vai acelerar no próximo ano com a expansão da economia mundial e voltará a ser atendida pelo aumento do fornecimento dos Estados Unidos e do Canadá, corroendo ainda mais a participação de mercado dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), afirmou nesta sexta-feira a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês).

Entretanto, a IEA disse, em seu relatório mensal, que os riscos para a produção de petróleo em várias regiões permaneceram elevados.

"Os riscos de fornecimento no Oriente Médio e Norte da África, sobretudo no Iraque e na Líbia, permanecem extraordinariamente altos", disse a IEA. "Os preços do petróleo continuam historicamente elevados e não há sinal de uma mudança da maré ainda."

O petróleo Brent do Mar do Norte atingiu a máxima em nove meses, em junho, com preço acima de 115 dólares por barril, impulsionado por uma insurgência sunita que varreu o noroeste do Iraque, tomando o controle de grandes partes do país produtor de petróleo e fechando sua maior refinaria.

O mercado de petróleo enfraqueceu ao longo do último mês, mas continua nervoso sobre novos choques de oferta.

Em sua primeira previsão para 2015 no relatório mensal, a IEA --que aconselha os principais países consumidores sobre a política energética-- disse que espera que a demanda global por petróleo cresça 1,4 milhão de barris por dia (bpd) no próximo ano, ante 1,2 milhão bpd deste ano.

"Países recém-industrializados e economias emergentes devem, mais uma vez, liderar a demanda", disse.

O segundo maior consumidor de petróleo do mundo, China, verá a demanda por petróleo crescer 4,2 por cento, acima dos 3,3 por cento deste ano, enquanto o maior consumidor de petróleo, os Estados Unidos, só vai aumentar a demanda em 0,2 por cento, para 19,1 milhões de barris por dia, crescimento abaixo do previsto para este ano, de 0,6 por cento.

(Dmitry Zhdannikov and Christopher Johnson)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.