Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Gina Chon

WASHINGTON (Reuters Breakingviews) - Donald Trump está dobrando a sua aposta no protecionismo. Ele usou o seu primeiro discurso como o 45º presidente dos Estados Unidos para ecoar a sua retórica de campanha, apresentando um quadro sombrio de decadência e “carnificina americana” na sua posse. Ele está usando isso para justificar o seu remédio de terminar com ajuda externa para focar no crescimento doméstico. É provável, no entanto, que isso rapidamente vá de encontro a realidades econômicas globais duras.

A atípica candidatura de Trump se fortaleceu por jogar com o medo das pessoas. Durante o seu discurso na convenção republicana em julho, Trump atacou estrangeiros tomando os empregos dos norte-americanos e empresas do país indo para o exterior. Ele também disse que imigrantes ilegais criminosos vagavam pelas ruas da nação.

Ele embelezou esses argumentos no seu discurso de posse nesta sexta-feira, retratando os Estados Unidos como se estivessem em “degradação e decadência”, enquanto outros países se mostravam enriquecidos pela ajuda dos EUA. Ele até mesmo adotou o mantra tornado infame pelos isolacionistas norte-americanos nos anos 1930: América Primeiro. “Proteção”, disse ele, “vai levar à grande prosperidade e força”.

Enquanto ele prestava o juramento, a sua equipe reformulava o site da Casa Branca para refletir a nova posição nacionalista: a sua estratégia comercial começa com se retirar da Parceria Transpacífico, um acordo com 11 outros países. O Acordo de Livre Comércio da América do Norte também pode ser cortado, se “nossos parceiros recusarem uma renegociação que dá aos trabalhadores norte-americanos um acordo justo”.

O problema, contudo, é o seguinte: o objetivo de Trump de fazer a América grande novamente é na sua maior parte baseado em reforçar as exportações, como os seus escolhidos para a economia repetiram nesta semana no Senado.

O comércio internacional ajudou a impulsionar a economia norte-americana para o seu ritmo mais rápido de crescimento em dois anos no terceiro trimestre de 2016, atingindo um índice anualizado de 3,5 por cento. Isso se deu em parte graças a um aumento de 10 por cento em exportações para a China e outros lugares.

A China, um alvo frequente da ira de Trump, é o terceiro maior mercado de exportação para produtos dos Estados Unidos, atrás de Canadá e México. Enquanto os EUA têm por volta de 300 bilhões de dólares de déficit comercial com os chineses, as exportações norte-americanas cresceram em mais de 300 por cento durante a última década. Além disso, muitas importações são feitas com produtos norte-americanos. Partes fabricadas nos EUA, por exemplo, constituem 40 por cento do total de componentes em bens trazidos do México.

Políticos tendem a deixar vários discursos de campanha para trás ao se confrontarem com os desafios de governar. O abandono da posição protecionista para acalmar países estrangeiros que são necessários para comprar os bens dos Estados Unidos seria, no entanto, um grande recuo programático.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters