Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Novo ministro da Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, durante reunião do Ministério de Defesa, em Londres 10/11/2017 REUTERS/Simon Dawson

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - Os britânicos que se uniram ao grupo militante Estado Islâmico na Síria e no Iraque deveriam ser caçados e mortos, disse o novo ministro da Defesa do Reino Unido.

Gavin Williamson disse que os britânicos que foram à Síria ou ao Iraque para lutar pelo Estado Islâmico odeiam o que o Reino Unido representa, e que ataques aéreos poderiam ser usados contra os estimados 270 compatriotas que ainda se encontram nestes países.

"Muito simplesmente, minha opinião é que um terrorista morto não pode causar nenhum mal ao Reino Unido", disse Williamson ao jornal Daily Mail em uma entrevista publicada no final de quarta-feira.

"Deveríamos fazer tudo que pudermos para destruir e eliminar essa ameaça", afirmou, acrescentando acreditar que qualquer combatente britânico que se una ao Estado Islâmico jamais deveria ter permissão de voltar ao seu país.

Williamson, de 41 anos, ocupa o cargo há pouco mais de um mês, e substituiu Michael Fallon após sua renúncia na esteira de um escândalo de assédio sexual.

Há relatos de que militantes britânicos famosos como Mohammed Emwazi, conhecido como Jihadi John, e Sally Jones foram mortos por forças britânicas ou norte-americanas desde que viajaram para lutar com o grupo radical.

Após a morte de Jones, conhecida como a "Viúva Branca", Fallon disse que os cidadãos britânicos que escolherem deixar o Reino Unido e combater para o Estado Islâmico são "um alvo legítimo".(Por Alistair Smout)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters