Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Michael Holden

LONDRES (Reuters) - Assessores da realeza britânica disseram nesta terça-feira que a rainha Elizabeth e sua família são um investimento excelente, após dados revelaram que os fundos dos contribuintes destinados à realeza neste ano irão quase dobrar para pagar reparos essenciais no Palácio de Buckingham.

Cifras oficiais mostram que a família real recebeu 42,8 milhões de libras do "Fundo Soberano" para o período 2016-17, a quantia disponibilizada pelo governo para cobrir os gastos fixos da residência real e das viagens.

Esse montante deve aumentar para 76,1 milhões de libras depois que o governo concordou com um aumento para financiar a reforma de 369 milhões de libras de Buckingham, cuja fiação elétrica, tubulações e sistema de aquecimento precisam de reparos urgentes.

Alan Reid, o tesoureiro da rainha, disse que o custo da monarquia para cada britânico no ano passado foi de 65 centavos de libra -- o valor de um selo de primeira classe. "Quando se compara isso ao que a rainha faz e representa para esta país, acredito que representa um valor excelente pelo dinheiro", disse Reid aos repórteres.

A família real realizou mais de 3 mil eventos oficiais no ano passado -- a monarca de 91 anos compareceu a 162 deles, e seu marido, o príncipe Philip, a 196, segundo Reid.

Pesquisas de opinião mostram que a rainha continua imensamente popular entre os britânicos, e ao menos dois terços deles indicam que querem que a monarquia permaneça.

Mas republicanos antimonarquia do Reino Unido dizem que o custo anual da realeza aos contribuintes é de centenas de milhões de libras esterlinas porque os gastos de segurança não estão incluídos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters