Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Michael Holden

LONDRES (Reuters) - Assessores da realeza britânica disseram nesta terça-feira que a rainha Elizabeth e sua família são um investimento excelente, após dados revelaram que os fundos dos contribuintes destinados à realeza neste ano irão quase dobrar para pagar reparos essenciais no Palácio de Buckingham.

Cifras oficiais mostram que a família real recebeu 42,8 milhões de libras do "Fundo Soberano" para o período 2016-17, a quantia disponibilizada pelo governo para cobrir os gastos fixos da residência real e das viagens.

Esse montante deve aumentar para 76,1 milhões de libras depois que o governo concordou com um aumento para financiar a reforma de 369 milhões de libras de Buckingham, cuja fiação elétrica, tubulações e sistema de aquecimento precisam de reparos urgentes.

Alan Reid, o tesoureiro da rainha, disse que o custo da monarquia para cada britânico no ano passado foi de 65 centavos de libra -- o valor de um selo de primeira classe. "Quando se compara isso ao que a rainha faz e representa para esta país, acredito que representa um valor excelente pelo dinheiro", disse Reid aos repórteres.

A família real realizou mais de 3 mil eventos oficiais no ano passado -- a monarca de 91 anos compareceu a 162 deles, e seu marido, o príncipe Philip, a 196, segundo Reid.

Pesquisas de opinião mostram que a rainha continua imensamente popular entre os britânicos, e ao menos dois terços deles indicam que querem que a monarquia permaneça.

Mas republicanos antimonarquia do Reino Unido dizem que o custo anual da realeza aos contribuintes é de centenas de milhões de libras esterlinas porque os gastos de segurança não estão incluídos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters