Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Erick Kirschbaum
BERLIM (Reuters) - George Bush, Mikhail Gorbachev e Helmut Kohl prestaram suas homenagens aos cidadãos que participaram da revolução pacífica de 1989, responsável pela queda do Muro de Berlim, em uma cerimônia emocionante em Berlim no sábado.
Os três líderes dos Estados Unidos, União Soviética e Alemanha Ocidental --cujos governos abriram caminho para a derrubada do muro em 9 de novembro de 1989-- relembraram os eventos que levaram ao fim da Guerra Fria em uma cerimônia com a participação de 1.800 pessoas.
"Nós alemães não temos muito em nossa história para nos orgulharmos", disse Kohl, com 79 anos, que era o primeiro-ministro da Alemanha Ocidental e depois da Alemanha unificada de 1982-98. "Mas nós temos todas as razões para nos orgulharmos da reunificação da Alemanha."
A reunião das três autoridades em Berlim deu início a uma semana de celebrações na capital alemã para marcar o 20o aniversário da queda do Muro.
Bush, presidente dos Estados Unidos de 1989-93, homenageou em seu discurso os milhares de alemães orientais corajosos que arriscaram serem perseguidos por participarem de protestos para pedir a reforma nos meses anteriores ao colapso do Muro.
"É uma alegria estar aqui com meus colegas", disse Bush, que repetidamente abraçou Gorbachev e Kohl durante a cerimônia de duas horas de duração em um teatro em Friedrichstrasse, ao leste de onde ficava o Muro.
"O ponto que precisa ser enfatizado é que os eventos históricos que estamos reunidos para celebrar não foram gerados em Bonn, Moscou ou Washington, mas nos corações e mentes das pessoas que por muito tempo foram privadas de seus direitos dados por Deus."
"O muro nunca poderia apagar nosso sonho, nosso sonho de uma Alemanha unida, uma Alemanha livre, uma Alemanha orgulhosa", disse Bush, de 85 anos.
Os três ex-mandatários estavam claramente felizes com o primeiro encontro em muitos anos_ mesmo que Kohl estivesse na cadeira de rodas e com dificuldades para falar enquanto Bush usava uma bengala.
O Muro de Berlim, um símbolo da Guerra Fria que dividiu a cidade e a Alemanha, foi derrubado em novembro de 1989, e as duas Alemanhas reunificadas 11 meses mais tarde. Pesquisadores afirmam que ao menos 136 pessoas foram mortas tentaram cruzar para o lado ocidental.
Gorbachev, o presidente da União Soviética à época, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1990, disse que a queda do muro e o fim da Guerra Fria foram resultado de um longo processo de reaproximação.
"Os heróis foram o povo", disse Gorbachev, 78, que permanece com alta popularidade na Alemanha por seu papel crucial em 1989.
"Nós três não queremos receber o crédito pelas conquistas de gerações anteriores."
Gorbachev, que afirmou ter sido "uma coisa boa que (Barack Obama) tenha ganho o Prêmio Nobel da Paz" neste ano, também fez comentários sobre o predecessor de Bush, Ronald Reagan, que discursou em favor da queda do muro em 1987.
Gorbachev também acrescentou: "Nós temos que entender que o projeto Europeu não pode ser finalizado, que não haverá nenhum triunfo se for construído com os sentimentos antirusso e antiamericano."
Bush fez muitos elogios a Gorbachev no sábado.
"Eu não tenho dúvidas de que historiadores vão reconhecer Mikhail por sua rara visão e compromisso com a reforma e a abertura apesar dos esforços daqueles que resistiram a mudanças e ignoraram o chamado da história", disse.
"Hoje, nós temos um total entendimento da tremenda pressão que Mikhail enfrentou em um momento crucial. E por todo o processo, ele se manteve firme, e é por isso que ele também vai ter uma grande imagem quando a história de nosso tempo no governo for finalmente escrita."

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters