Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chamas de um incêndio florestal em Carvalho, Portugal. 19/06/2017 REUTERS/Rafael Marchante

(reuters_tickers)

Por Henning Gloystein

SINGAPURA (Reuters) - O calor extremo em grandes porções do hemisfério norte despertou temores sobre as lavouras da China, alimentou incêndios florestais em Portugal e o no extremo leste da Rússia, obrigou o cancelamento de voos no sudoeste dos Estados Unidos e derreteu o asfalto de estradas no Reino Unido.

Nesta quarta-feira, que é o solstício de verão no hemisfério --o dia mais longo do ano--, os meteorologistas previram que as temperaturas em Paris devem chegar a 37 graus Celsius, 38º em Madri e 34º em Londres, com alertas de tempestades com trovões.

Depois de registrar temperaturas recordes nos últimos dois meses, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) disse que a Terra está passando por "mais um ano excepcionalmente quente" e que as ondas de calor chegaram anormalmente cedo.

"Partes da Europa, do Oriente Médio, do norte da África e dos Estados Unidos da América testemunharam temperaturas extremamente altas em maio e junho, e vários recordes foram quebrados", disse a OMM no final da terça-feira.

A tendência vista durante o último bimestre colocou as temperaturas globais mensais médias entre as mais altas já registradas desde que os dados começaram a ser coletados, em 1880.

Mesmo antes deste mês, dados da Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) mostraram que a Europa, os EUA e o nordeste da Ásia --incluindo o leste da China, Japão e Coreia do Sul-- tiveram um clima inusitadamente quente entre março e maio.

Na China, o maior produtor de grãos do mundo, o clima quente e seco no principal cinturão de milho atrasou o plantio e retardou o desenvolvimento da colheita, especialmente na província de Liaoning, onde os níveis de umidade do solo foram os mais baixos em ao menos cinco anos.

Dados do Thomson Reuters Eikon mostram que, no mês passado, a precipitação em Liaoning foi entre 40 e 60 por cento inferior ao padrão sazonal.

"A seca que atingiu partes do nordeste da China é a pior da última década para esta época do ano, na extensão de áreas que afetou e no período de tempo que durou", disse Ma Wenfeng, analista da Beijing Orient Agribusiness Consultancy.

O clima quente e seco é um dos principais fatores dos incêndios florestais que mataram dezenas de pessoas em Portugal, e a agência de notícias russa Tass relatou dezenas de incêndios florestais, a maioria na Sibéria e em Irkutsk, região do extremo leste do país.

No sudoeste dos EUA, voos foram cancelados principalmente por linhas aéreas regionais cujas aeronaves operam com uma temperatura máxima menor.

No Reino Unido, a mídia regional do condado de Surrey, no sudeste, noticiou que o sol intenso derreteu o asfalto das estradas.

(Reportagem adicional de Gavin Maguire em Singapura, Colin Packham em Sydney, Hallie Gu em Pequim)

Reuters