Reuters internacional

Segurança é reforçada em Londres após ataque em Manchester 24/5/2017 REUTERS/Neil Hall

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - O Partido Conservador, da primeira-ministra britânica, Theresa May, e a principal oposição, o Partido Trabalhista, irão retomar na sexta-feira as campanhas nacionais para a eleição do mês que vem, após um ataque suicida a bomba deixar 22 mortos em Manchester.

Os partidos suspenderam campanhas para a eleição de 8 de junho após o ataque de segunda-feira em um local de shows. O Partido Trabalhista, o Partido Conservador e o Partido Nacional Escocês disseram que irão retomar as campanhas em nível local na quinta-feira e eventos nacionais na sexta-feira.

“O povo britânico está unido na decisão de que o terror não irá prevalecer. Isto não irá nos impedir de seguirmos com nossas vidas diárias ou nos afastar do processo democrático”, disse o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, em comunicado.

“Retomar o debate democrático e campanha é um marco essencial da determinação do país de defender nossa democracia e a unidade que os terroristas buscaram atacar.”

Pesquisas de opinião, que tiveram publicação pausada após o ataque a bomba, sugerem que os conservadores de May estão no caminho para vencer a eleição, embora sua vantagem de dígito duplo nas pesquisas de opinião estivesse se estreitando antes do ataque.

Na segunda-feira, May foi forçada a voltar atrás em uma de suas mais marcantes promessas eleitorais, após a liderança de seu partido nas pesquisas de opinião cair em somente alguns dias, mas a história foi rapidamente eliminada dos noticiários por conta do ataque a bomba.

O Partido de Independência do Reino Unido (Ukip), que adiou nesta quarta-feira um plano de lançar seu manifesto, informou que em vez disto irá seguir em frente com a publicação do documento político na quinta-feira.

Uma porta-voz dos Liberais Democratas disse que o partido não irá realizar campanha na quinta-feira e irá tomar uma decisão sobre sexta-feira.         

(Reportagem de Kylie MacLellan e William James)

Reuters

 Reuters internacional