Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas 22/08/2017 REUTERS/Marco Bello

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - O governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tirou do ar nesta quinta-feira a emissora colombiana Caracol, informou o canal de televisão, classificando a ação como uma repressão à mídia.

O governo de Maduro frequentemente critica a vizinha Colômbia por fazer parte do que afirma ser uma conspiração global de direita para derrubar o socialismo na Venezuela.

O governo não comentou sobre a questão de imediato.

Críticos de Maduro dizem que o líder se transformou em um ditador que tenta reprimir a cobertura da mídia sobre a inflação desenfreada do país, a escassez de produtos, os crimes violentos e sua repressão contra políticos de oposição.

"Mais um canal fora do ar! Isso fez com que os crimes diminuam? A inflação está mais baixa? Há mais comida? Mais remédios? Algum problema foi resolvido? Isso é o que (Maduro) resolve, censurar a verdade", disse o líder de oposição Henrique Capriles nesta quinta-feira.

"A Caracol Televisión se juntou a uma longa lista de canais que foram tirados do ar na Venezuela", disse o canal em comunicado, criticando a "censura" por parte de Maduro.

O ministério de Informação e o órgão regulador Conatel da Venezuela não responderam de imediato aos pedidos por comentários.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters