Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas 22/08/2017 REUTERS/Marco Bello

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - O governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tirou do ar nesta quinta-feira a emissora colombiana Caracol, informou o canal de televisão, classificando a ação como uma repressão à mídia.

O governo de Maduro frequentemente critica a vizinha Colômbia por fazer parte do que afirma ser uma conspiração global de direita para derrubar o socialismo na Venezuela.

O governo não comentou sobre a questão de imediato.

Críticos de Maduro dizem que o líder se transformou em um ditador que tenta reprimir a cobertura da mídia sobre a inflação desenfreada do país, a escassez de produtos, os crimes violentos e sua repressão contra políticos de oposição.

"Mais um canal fora do ar! Isso fez com que os crimes diminuam? A inflação está mais baixa? Há mais comida? Mais remédios? Algum problema foi resolvido? Isso é o que (Maduro) resolve, censurar a verdade", disse o líder de oposição Henrique Capriles nesta quinta-feira.

"A Caracol Televisión se juntou a uma longa lista de canais que foram tirados do ar na Venezuela", disse o canal em comunicado, criticando a "censura" por parte de Maduro.

O ministério de Informação e o órgão regulador Conatel da Venezuela não responderam de imediato aos pedidos por comentários.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters