Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Tomás Sarmiento
TEGUCIGALPA (Reuters) - Elvin Santos, um dos principais candidatos à presidência de Honduras, exigiu nesta terça-feira respeito ao resultado das eleições de 29 de novembro, já que muitos países ameaçam não reconhecer o pleito se o presidente hondurenho deposto, Manuel Zelaya, não for restituído antes.
As eleições foram convocadas antes de os militares expulsarem Zelaya do país em 28 de junho, provocando o isolamento internacional do empobrecido país da América Central e a suspensão da ajuda proveniente de vários países.
"Nós não estamos pedindo um reconhecimento do nosso processo democrático e eleitoral, estamos exigindo respeito", disse Santos, um engenheiro de 46 anos educado nos Estados Unidos e candidato à Presidência pelo Partido Liberal, durante entrevista à Reuters.
"As eleições gerais que teremos em 29 de novembro não têm nada a ver com o (golpe de) 28 de junho", esclareceu Santos, que pertence ao mesmo Partido Liberal de Zelaya e do presidente do governo de facto, Roberto Micheletti.
Mas a maioria dos governos latino-americanos disse que não reconhecerá o vencedor do pleito se Zelaya não for restituído antes das eleições gerais.
Os Estados Unidos também mantêm a mesma postura, apesar de que nos últimos dias pareceu suavizar sua posição ao dizer que reconheceriam as eleições se fossem feitas com base em um acordo assinado entre os representantes de Zelaya e Micheletti. O acordo fracassou dias depois.
Santos, em segundo lugar nas pesquisas, atrás do candidato do Partido Nacional, Porfirio Lobo, disse que seu objetivo será combater a pobreza que afeta o país, mas não deixou claro como fará, já que entidades como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Mundial não estão concedendo empréstimos à nação devido à crise política.
"Não se trata de uma luta de esquerda ou direita, ou de uma ideologia, trata-se fundamentalmente de enfrentar a pobreza", disse o candidato.
Questionado se apoiaria a volta de Zelaya ao poder antes ou depois das eleições para estabilizar o marco político do país, ele disse que respeitará a decisão que resultar do acordo.
"Não apoio pessoas, apoio a lei", afirmou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters